Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Ambiente: preferir os anúncios ao desempenho e a propaganda à ação só pode trazer maus resultados no futuro
Bruno Coimbra deixou o alerta: “Portugal está na primeira fila dos países europeus que são e serão mais afetados pelas alterações climáticas”.
“As alterações climáticas são o grande desafio da atualidade e a maior ameaça à vida no planeta Terra. O desequilíbrio climático gerado pela interferência humana é por demais evidente e exige uma verdadeira revolução comportamental do ser humano e da sociedade moderna nos hábitos e na ação quotidiana, nas escolhas políticas e na legislação. Aquecimento global/Desertificação dos territórios/Escassez alimentar/Migrações descontroladas/Erosão costeira e avanço do mar/Inundações e tempestades/Incêndios de dimensões incontroláveis. Estamos verdadeiramente em situação de urgência absoluta. Em que cada dia conta; em que cada opção conta. Uma luta contra o tempo, na qual todos temos de estar disponíveis para a adaptação que nos é exigida.” Foram estas as palavras iniciais de Bruno Coimbra, esta quarta-feira, na interpelação ao governo “Emergência Climática”.
De seguida, o parlamentar recordou que a última Cimeira Mundial para as Alterações Climáticas endossou nas suas conclusões o relatório do Painel Intergovernamental das Nações Unidas que assume de forma clara o drama que temos diante de nós: temos apenas 12 anos para evitar um ponto de não retorno.
“O Mundo clama por ação. Os portugueses, em particular os mais jovens, estão atentos. Vimo-los aqui à nossa porta a manifestarem-se, a exigirem-nos mudanças e ação dentro destas paredes, para que o mundo lá fora mude também para melhor. A Europa tem assumido um papel liderante neste combate, e Portugal, já em 2013, com um governo liderado pelo PSD, viu serem implementadas políticas que lhe permitiram assumir relevância e ser reconhecido internacionalmente como sendo daqueles que querem fazer a diferença na ação climática. Este histórico, que permitiu atingir o desempenho forte na política climática do país - que ainda hoje persiste – está ameaçado por insuficiências na consistência das opções políticas governativas”.
A este propósito, o social-democrata alertou que o Governo tem no roteiro para a descarbonização um guião ambicioso. Contudo, adianta, há coisas de mais a não bater certo:
“a execução miserável do Programa Casa Eficiente não corresponde à anunciada preocupação com o desempenho ambiental dos edifícios e com a eficiência energética; A importância atribuída à redução da dependência energética do país não é correspondida por uma política energética sólida e coerente; As recorrentes situações de seca severa ou extrema não encontram na ação governativa soluções ou planeamento eficaz; As medidas positivas de incentivo à utilização dos transportes públicos coletivos, tão determinantes para a redução das emissões (como são exemplo os Passes Sociais) são infelizmente acompanhadas de qualidade de serviço terceiro mundista, falta de manutenção ou aquisição de equipamentos, e limitações na resposta ou número de lugares disponíveis; A disponibilidade da União Europeia para apoiar a utilização eficiente de recursos, não bate certo com execuções baixíssimas e desperdício de financiamento. O Programa Operacional para a Sustentabilidade no Uso dos Recursos – POSEUR - regista uma execução de apenas 22%, e mesmo os Programas Regionais têm taxas de execução a variar entre os 19 e 23%, o que demonstra bem que não é por falta de recursos financeiros à sua disposição - nem por não ter sido o próprio governo a reprogramar os fundos - que não faz mais nem melhor”.
Tendo em consta este histórico, Bruno Coimbra recordou que, chegado ao governo, o Partido Socialista “desacelerou e preferiu muitas vezes reverter a avançar, esquecendo que a ação governativa deve caminhar sempre no mesmo sentido das preocupações propaladas. Preferir os anúncios ao desempenho, a propaganda à ação consequente, o desperdício de financiamento à execução dos fundos, só pode trazer maus resultados no futuro. Nenhum português aceita ver Portugal prejudicado face a outros países mais desenvolvidos, especialmente tendo em consideração que Portugal está na primeira fila dos países europeus que são e serão mais afetados pelas alterações climáticas”.
A terminar, o parlamentar sublinhou que esta discussão é mais uma tentativa de sinalizar a urgência de atuação nesta matéria e um alerta para a premência de acelerarmos o passo para a neutralidade carbónica, para o uso responsável dos recursos e para a preservação da biodiversidade e do ambiente terrestre. “Legislar bem, fazer bom uso da política fiscal, efetuar investimento público verde e envolver os cidadãos e a sociedade civil na estratégia de desenvolvimento sustentável, são pilares determinantes para que os poderes políticos se mantenham no rumo certo. É esta a responsabilidade que temos perante os portugueses. Os de hoje e os de amanhã”, concluiu Bruno Coimbra.

15-05-2019 Partilhar Recomendar
15-05-2019
Autonomia dos sistemas multimunicipais de água tem sido gravemente prejudicada
    Maurício Marques alerta que a ação do governo está a criar estrangulamentos nos investimentos necessários.
15-05-2019
Seca: medidas velhas que não acompanham as novas realidades
    Sublinhando que Portugal é um país particularmente vulnerável às alterações climáticas, Emília Cerqueira frisou que precisamos de novas abordagens para mitigar estes problemas.
15-05-2019
Berta Cabral: Programa Casa Eficiente 2020 “foi um fiasco e um logro”
    A deputada denunciou que a taxa de execução deste Programa é inferior a 1%.
15-05-2019
Nível de execução do PO SEUR “é um desastre”
    António Costa Silva lamentou que o governo não esteja a aproveitar os financiamentos que são 85% a fundo perdido.
15-05-2019
Declaração de estado de emergência climática é uma ação simbólica ou implica a adoção de medidas concretas?
    Jorge Paulo Oliveira questionou os bloquistas sobre o objetivo das suas propostas.
16-04-2019
“As alterações climáticas constituem um dos maiores desafios que a humanidade tem pela frente”
    O parlamentar sublinhou que o PSD sempre colocou na sua agenda e na sua ação política o ambiente e o clima.
11-04-2019
Berta Cabral: “o ambiente pode contar com o PSD”
    A deputada considera que é fundamental dar continuidade à mudança de mentalidades.
11-04-2019
“Não podemos continuar a privilegiar o descartável num planeta que não o é”
    Bruno Coimbra considera que “o plástico é hoje uma calamidade” e que é preciso agir.
11-04-2019
António Topa: o plástico tornou-se um problema sério para a humanidade
    O parlamentar considera que é urgente atuar e encontrar alternativas ao seu uso.
11-04-2019
Proibição da venda de frutas e legumes acondicionados em cuvetes que contenham plástico ou poliestireno trará custos para os produtores agrícolas
    António Lima Costa manifestou a preocupação dos sociais-democratas com esta situação.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas