Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Geringonça: “acabaram os tempos festivaleiros das reversões e agora é tempo dos encontrões”
Adão Silva alertou ainda para a “traição” que o PS se prepara para fazer ao que foi acordado em concertação social.
No debate sobre propostas de alteração ao código do trabalho, Adão Silva enfatizou que este é um debate marcado por enormes perplexidades. De acordo com o Vice-Presidente da bancada do PSD, a primeira perplexidade regista-se quando o Ministro da Solidariedade e Segurança Social afirma que “sem os acordos com o BE, PCP e Verdes estas alterações à legislação laboral não seriam possíveis”. Para o social-democrata o governante “ainda não percebeu que acabaram os tempos festivaleiros das reversões e agora é tempo dos encontrões. Os senhores estão em encontrões uns com os outros. Encontrões nas enxurradas de iniciativas que só à conta da geringonça são 16 iniciativas. E também neste jogo das votações”.
A segunda perplexidade de Adão Silva prende-se com as declarações do Ministro Vieira da Silva de que a atual legislação laboral cria emprego, combate o desemprego, faz crescer a economia, algo que é verdade e que se regista desde 2013. “Mas se em equipa que ganha não me mexe, porque é que está a mexer numa legislação laboral que afinal tão bons frutos dá aos portugueses?”
A última perplexidade referida pelo deputado prende-se com a posição do PS. “Nós valorizamos o acordo de concertação social, se calhar a única virtude que traz a vossa Proposta de Lei, é que ela vem imbuída de uma lógica de concertação social. Mas preocupam-nos as declarações do PS, que parece que está pronto para «roer a corda» e se prepara para apresentar propostas de alteração ao acordo laboral que tem como primeiro subscritor António Costa”. Tendo em conta este cenário, Adão Silva questionou ao Ministro da Solidariedade e Segurança Social qual a sua posição se isto se registar e se o PS fizer uma “traição” ao que foi acordado pelos parceiros sociais.

06-07-2018 Partilhar Recomendar
14-03-2018
“Governo não está a saber aproveitar a conjuntura favorável para preparar o futuro”
    Mercês Borges lamentou a apatia de um executivo que, além de não dar resposta às necessidades das empresas, deixa pairar a ameaça de uma revisão das leis laborais.
14-03-2018
Sandra Pereira: “o PCP cristalizou-se e parou no tempo”
    A deputada referiu-se à “inquietação” de um partido que defende uma coisa na rua e depois vota ao lado do governo.
07-03-2018
“Temos hoje a precariedade mais elevada dos últimos 15 anos”
    Carla Barros considera que o processo de regularização dos precários na administração pública revela que a esquerda está mais preocupada em proteger o governo que os trabalhadores.
07-03-2018
“É imperioso resolver rapidamente os processos de integração dos verdadeiros precários”
    Álvaro Batista condenou que o problema da precariedade seja usado como agência de emprego para “jovens socialistas”.
07-03-2018
Precários do Estado: Mercês Borges acusa esquerda de “farsa e logro”
    A deputada lamentou que tenha sido criada uma enorme expetativa a estas pessoas e agora não lhes seja dada uma resposta.
28-02-2018
"Não abdicamos de representar os portugueses que não se revêm neste governo”
    Santa Casa no Montepio: a nossa posição é muito clara, “somos contra”.
14-02-2018
Crescimento Económico: com este governo Portugal cresce pouco
    Hugo Soares recordou que apesar da conjuntura externa extremamente favorável, dos 27 países da União Europeia, Portugal só está à frente de 7.
18-01-2018
Bloco encara a relação laboral como uma permanente luta e conflito entre as partes
    Susana Lamas contestou a “postura radical” dos bloquistas.
11-01-2018
“A matéria dos feriados deve ser tratada em sede de concertação social”
    Joana Barata Lopes lamentou que a esquerda insista em desrespeitar os parceiros sociais.
20-12-2017
“Este foi um ano bem penoso para os portugueses e a responsabilidade é sua que é Primeiro-Ministro”
    Hugo Soares contrariou António Costa e desafiou-o a pronunciar-se sobre a coerência do governo em assuntos como a associação Raríssimas, os CTT, o Salário Mínimo Nacional e o Montepio.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas