Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Virgílio Macedo: é imperativo tornar o nosso sistema fiscal mais simples
O social-democrata lamentou que três anos e meio após o governo tomar posse, não exista uma mudança de paradigma fiscal e ainda somos confrontados com mais aumentos de impostos.
No debate da Proposta de Lei do governo que prorroga a vigência de determinados benefícios fiscais, Virgílio Macedo começou por sublinhar que o debate desta iniciativa devia levar a um debate mais lato, sobre todas as derrogações às regras gerais de tributação.
Para o deputado “benefícios fiscais são sempre derrogações às regras gerais de tributação, e que produzem vantagens de natureza fiscal para alguns contribuintes, suspendendo, ainda que temporariamente, princípios tão importantes no nosso sistema fiscal como são, o princípio da capacidade contributiva, e o princípio da igualdade tributária. Ao conceito de benefício fiscal deveria estar sempre, mas sempre associado, uma característica de excecionalidade, e deveriam estar limitados no tempo, sob pena desse próprio benefício deixar de ser a exceção e passar a ser a regra, deturpando claramente a sua característica de excecionalidade”.
Paralelamente à apresentação desta iniciativa, o deputado recordou que o governo anunciou também a criação de um grupo de trabalho para estudar o sistema de benefícios fiscais vigente, que vise uma análise do custo benefício de cada um, bem como fazer a avaliação da concretização ou não dos objetivos extrafiscais inerentes a cada. “É uma intenção que obrigatoriamente não poderá ficar condicionada, a uma análise que tenha só por base a maximização da receita fiscal. É uma intenção que deve centrar-se numa análise de custo/benefício da existência desses benefícios fiscais”.
Contudo, Virgílio Macedo lamentou que, passados três anos e meio deste governo, a apresentação desta iniciativa não deixe de ser uma oportunidade perdida. “O que hoje se deveria estar a debater, era uma eventual mudança de paradigma do nosso sistema fiscal. O que hoje se deveria estar a discutir, era o fim de algumas desigualdades fiscais entre contribuintes e, paralelamente, se discutir a redução das taxas base de tributação para todos os contribuintes. O que hoje se deveria estar também a debater era a redução da carga fiscal e não o seu aumento, ainda que de forma indireta. Podíamos e devíamos ser mais ambiciosos”.
A este propósito, Virgílio Macedo adiantou que após sucessivas alterações, “o nosso sistema fiscal ficou um sistema mais complexo, mais denso e porque não dizê-lo mais opaco, do que é desejável. É imperativo transformarmos o nosso sistema fiscal num sistema mais simples. E quando tornamos o sistema fiscal mais simples, também o tornámos mais justo e mais eficaz”.
A terminar, o parlamentar declarou que seria importante, e muito mais transparente, “restringirmos o conceito de beneficio fiscal e minimizarmos a sua existência. Que tivéssemos uma visão muito mais restrita do conceito de benefício fiscal, em nome da igualdade entre todos os contribuintes, sem exceção. Que a sua criação e natureza fosse efetivamente de carácter excecional, e que tivessem sempre subjacentes objetivos claros e transparentes. Que a sua vigência no tempo fosse efetivamente temporária, limitada, e não como hoje acontece, em que muitos desses benefícios perduram por um tempo quase indefinido e indeterminado”.

03-05-2018 Partilhar Recomendar
09-05-2019
“Portugal tem hoje a maior carga fiscal de sempre, mas também a despesa fiscal nos máximos de sempre”
    Leonel Costa alerta que com a geringonça o montante de benefícios e isenções fiscais atingiu os 12 mil milhões de euros.
24-04-2019
Maria Luís Albuquerque alerta contra “filmes” do PS que acabam em pântano ou bancarrota
    A deputada alertou que o país já viu “filmes de produção socialista” que acabaram em pântano ou em bancarrota, criticando o caminho económico seguido pelo atual governo.
24-04-2019
PSD rejeita o fardo que o governo nos lega de estarmos a caminhar para a cauda da Europa
    Emídio Guerreiro recorda que BE, PCP e PEV são cúmplices dos “orçamentos de mentira”.
24-04-2019
Programa de Estabilidade será chumbado pelos portugueses em outubro
    António Leitão Amaro lembra que “o apoio ao PS tem andado como o crescimento”, mês após mês a cair e sempre a ser revisto em baixa.
12-04-2019
Tratado Orçamental: “comunistas não são bons alunos da Europa, são catedráticos”
    Teresa Leal Coelho recordou que o PCP está ao lado da política orçamental do Ministro das Finanças em Portugal e na Europa.
10-04-2019
PS deve um pedido de desculpas aos portugueses
    António Leitão Amaro não compreende que os socialistas estejam “a dormir” e a desaproveitar as boas conjunturas económicas externas.
20-03-2019
Bloco de Esquerda é “fiscalmente insaciável”
    Jorge Paulo Oliveira afirmou que esse é mais um motivo para os bloquistas apoiarem um governo que é “campeão da carga fiscal”.
20-03-2019
A filosofia da esquerda “é tributar”
    Segundo Virgílio Macedo estes partidos pretendem “tributar tudo o que mexe, o que não mexe e o que pode vir a mexer”.
20-03-2019
PSD contra impostos europeus: “queremos a nossa autonomia fiscal”
    A posição dos sociais-democratas foi reiterada por Cristóvão Norte.
20-03-2019
“Governo, PS, BE e PCP têm vindo a competir para ver qual consegue ser mais eficaz a «depenar» os contribuintes”
    Em sentido contrário, Cristóvão Crespo afirmou que o objetivo devia passar pela redução da carga fiscal.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas