Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“O país poderia estar a crescer muito mais e a beneficiar muito mais”
Luís Campos Ferreira considera que isso seria uma realidade “se não tivéssemos um governo manietado por uma maioria de esquerda que é avessa a uma economia social de mercado”.
“Faz hoje quinze dias que o PSD trouxe a debate o tema Economia e Emprego. O que pareceu ao PS uma excentricidade do PSD, teve afinal, pelo menos, um mérito: o de chamar o PS a um tema que, desde sempre, tem estado no centro das nossas preocupações. Tanto que hoje, cá estamos novamente a discutir o mesmo tema”. Foi com estas palavras que Luís Campos Ferreira iniciou a sua intervenção, esta quinta-feira, no debate sobre a modernização da economia através da Inovação e da Ciência.
De seguida, o social-democrata afirmou que “se há coisa de que o PSD se orgulha é o de saber criar as condições necessárias para que o País se desenvolva e cresça de uma forma equilibrada e sustentável. Não apenas quando as circunstâncias e os ventos estão de feição, mas também quando é preciso enfrentar conjunturas desfavoráveis e ultrapassar constrangimentos vários. Foi o que aconteceu nos últimos anos. Governámos num dos períodos mais difíceis da nossa história recente. Contudo, graças ao esforço e ao mérito dos trabalhadores e dos empresários portugueses, conseguimos dar a volta à crise. As empresas conseguiram inovar, souberam adaptar-se e lograram encontrar novos mercados.”
Lembrando que o governo socialista beneficiou de uma trajetória de crescimento económico anteriormente iniciada, o social-democrata recordou a obra do PSD em matéria de inovação e de modernização económica. “No anterior Governo, trabalhámos para recuperar o País da descredibilidade externa e descrença interna. Nunca tivemos dúvidas que modernizar e democratizar a economia faz parte do caminho que é necessário percorrer para garantirmos um crescimento e uma prosperidade social duráveis.
Pusemos em marcha um processo de financiamento da economia portuguesa, com o foco na recapitalização das nossas empresas, diversificámos as fontes de financiamento, incentivámos o investimento em start-ups, disponibilizámos várias linhas de crédito para apoiar as PMEs.
Colocámos os fundos europeus ao serviço da economia, encarando-os estrategicamente como motor do desenvolvimento. Programámos uma parcela importante do Portugal 2020 para a competitividade e internacionalização das nossas empresas, nunca esquecendo o apoio à inovação tecnológica e formação profissional.
Melhorámos o ambiente competitivo com um conjunto de reformas, como na concorrência, e reforçámos a regulação da atividade económica.
Imprimimos uma maior competitividade fiscal, trazendo um novo fôlego à economia. Destaco a reforma do IRC, aprovada por mais de 85% dos deputados, e que criou melhores condições para a promoção do investimento e criação de emprego. Um ganho para o País que, por mero preconceito ideológico, esta maioria de esquerda decidiu desperdiçar.
Promovemos o investimento, a competitividade e a coesão territorial. Realço o Plano Estratégico de Transportes e Infraestruturas, que com um amplo consenso estabeleceu quase 60 projetos de investimentos prioritários, que este governo elogiou mas infelizmente não concretizou. Mas também a reforma do setor portuário ou a criação do Regime Extraordinário de Reabilitação Urbana.
Levamos a cabo uma profunda reforma na Justiça. Quando muitas empresas viviam momentos de dificuldades, reorientamos o regime de insolvências para a recuperação das empresas em vez de as abandonar à liquidação, através do PER – Processo Especial de Revitalização. Ganhou a economia e ganharam milhares de trabalhadores.
Procedemos à reforma do setor energético, no combate às rendas excessivas, uma área considerada intocável e que constituía um entrave ao crescimento económico. E exigiu-se às grandes empresas do setor da energia uma contribuição extraordinária para o equilíbrio das contas públicas, solidária e equitativa com o esforço do conjunto da sociedade portuguesa.
Lançámos as bases de uma reforma do ordenamento do território – de que hoje tanto se fala, pela pior das razões -, que passou, entre outras medidas, por uma nova Lei de Bases da Política dos Solos, do Ordenamento do Território e do Urbanismo e no novo Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial”.
Em todo este percurso, sublinha Campos Ferreira, o PSD jamais esqueceu a sua matriz social-democrata, e por isso “não deixámos para trás os nossos concidadãos socialmente mais frágeis. Pela primeira vez em Portugal na história dos fundos europeus, criámos um programa operacional especificamente vocacionado para a inclusão social e para o emprego.”
Tendo em conta este caminho iniciado pelo PSD, Luís Campos Ferreira considera que o País poderia estar hoje a crescer muito mais e a beneficiar muito mais. “Podia crescer mais se não tivéssemos um Governo socialista manietado por uma maioria de esquerda que é avessa a uma economia social de mercado. Mas também podia crescer mais se as muitas propostas que o PSD tem apresentado ao longo do tempo encontrassem da parte de outros partidos um maior acolhimento”.
Dirigindo-se às bancadas da esquerda, o social-democrata afirmou ser fundamental aproveitar a boa conjuntura que existe no plano internacional e que tanto nos beneficia. “É preciso canalizar os bons resultados que o País tem conseguido para o fortalecimento da nossa economia. Uma economia virada para as inovações tecnológicas, a montante e a jusante, quer como criadora de novas soluções quer como utilizadora e potenciadora das soluções que partilhamos enquanto players globais. Uma economia que tenha a capacidade de gerar mais postos de trabalho e mais bem remunerados. Não queremos uma economia assente em baixos salários que os baixos níveis de qualificação sempre arrastam. Não queremos uma economia que cresça à custa dos trabalhadores, mas antes trabalhadores que cresçam com a economia. Por isso, temos que apostar permanentemente na qualificação dos trabalhadores portugueses e na renovação contínua das suas competências. Uma economia que saiba aproveitar plenamente o inestimável capital das nossas universidades e institutos politécnicos, dos nossos cientistas e investigadores, dos nossos criativos e inovadores.”
A terminar, Luís Campos Ferreira frisou que este é este é o momento certo, pois temos os empreendedores certos, as universidades certas, os investigadores certos, só não temos mesmo é o governo certo. “Este é o Governo apoiado por partidos que defendem uma economia estatizada ou estatizante, partidos que são declaradamente contra a economia de mercado, partidos que desconfiam da livre iniciativa, profundamente conservadores, sem capacidade de mudança. E sem mudança, nada feito”.

22-03-2018 Partilhar Recomendar
10-10-2018
Tancos: “senhor Primeiro-Ministro, não acha que já fomos longe demais?”
    Fernando Negrão considera que este caso exigia intervenção imediata da hierarquia militar e da tutela política.
03-10-2018
Ensino Superior: governo promete muito e não faz nada
    Duarte Marques desafiou os bloquistas a assumirem as suas responsabilidades e a passarem das palavras aos atos.
28-09-2018
Atividade seguradora e resseguradora: “vender gato por lebre passará a ser mais difícil”
    Carlos Silva declarou o apoio do PSD à implementação da diretiva europeia, mas lamentou a demora do executivo na transposição.
28-09-2018
PSD contesta a forma como o governo tratou o processo de alteração ao Código da Propriedade Industrial
    Paulo Rios de Oliveira referiu que esta alteração tem um enorme impacto económico e social e que, por isso, não pode ser feita “às três pancadas”.
20-09-2018
Plano Nacional de Investimento: Emídio Guerreiro assinala a “hipocrisia dos socialistas”
    O deputado acusou o governo de procurar disfarçar o insucesso do executivo no que toca ao investimento público.
19-09-2018
O governo tem sacrificado o investimento público para cumprir as metas do déficit
    Virgílio Macedo enfatizou que todos os partidos que apoiam parlamentarmente este governo são cúmplices deste desinvestimento.
19-09-2018
Carlos Silva: os portugueses estão fartos da propaganda do governo
    O social-democrata considera que o executivo vai ficar conhecido “como o governo do agora é que é”.
19-09-2018
Com as esquerdas no governo Portugal registou o mais baixo investimento público dos últimos 20 anos
    Joel Sá considera que estamos perante “3 anos perdidos”.
13-07-2018
Educação: “o país assiste a um clima de instabilidade, de confrontação e de descrédito”
    Margarida Mano recordou que quem “prometia tranquilidade e motivação oferece hoje instabilidade e frustração”.
13-07-2018
Cortes no investimento explicam a falta de resposta dos serviços públicos
    Emídio Guerreiro considera que situações como as que se registam na CP resultam dos cortes no investimento feitos pelo executivo.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas