Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Passos Coelho acusa o PS de instrumentalizar o Estado e os cidadãos
O líder do PSD afirmou ainda não ter memória de “ano tão trágico”.
Pedro Passos Coelho afirmou não ter memória de um “ano tão trágico” como o de 2017 e acusou o Governo do PS de "instrumentalizar o Estado e os portugueses" para sobreviver.
No jantar de Natal do Grupo Parlamentar do PSD, o líder do PSD dedicou as primeiras palavras da intervenção política aos que perderam pessoas nos incêndios de junho e outubro deste ano.
“Este é realmente um ano que está a terminar do qual não podemos ter boas lembranças”, afirmou, considerando que os problemas do Estado que estiveram na origem dos incêndios “são falhas que continuam a existir”.
Tendo em conta essa realidade, o social-democrata lamentou não ter visto o Primeiro-Ministro, que este fim-de-semana visitou algumas das zonas afetadas e entregou casas já reconstruídas, destacar o papel da sociedade civil nesse esforço. “Ao cabo de meio ano, o Estado continua a mostrar, infelizmente, que não tem condições para responder às exigências que a sociedade civil sente”, afirmou.
No que respeita à atuação dos socialistas, o parlamentar acusou o Governo do PS de nada ter aprendido com o passado e de “instrumentalizar o Estado e os portugueses”, tratando os cidadãos como clientes. “Refiro-me não tanto a esta vertigem pelo dia-a-dia, pelo imediatismo, refiro-me a esta maneira de tratar o país, instituindo uma espécie de política neocorporativa em que o Governo segmenta todas as suas ofertas de modo a capturar os cidadãos como potenciais clientes específicos”, acusou.
Para Passos Coelho, este é um “instrumento de alienação democrática da política, que já foi usado persistentemente pelo PS no passado”. “Eu gostaria que o PS tivesse aprendido com esta forma errada de instrumentalizar o Estado e os portugueses para poder sobreviver na política”, criticou, esperando que "quem quer que seja" o seu sucessor, "quem quer que seja" e o grupo parlamentar, "aconteça o que acontecer" na bancada, persistam nesta denúncia.
Defendendo uma política que ultrapasse a visão do curto prazo, Passos apelou a que o Ministro das Finanças, agora com a responsabilidade acrescida de presidir ao Eurogrupo, possa “persuadir o Governo de que já está na altura não apenas de colher os benefícios dos esforços passados”, mas também de fazer reformas.
Para 2018, Passos Coelho deixou ainda algumas apreensões, nomeadamente quanto à situação na Autoeuropa, empresa que disse ter tomado, quando iniciou funções como Primeiro-Ministro, como exemplo de produtividade e estabilidade de negociação com os trabalhadores. “Estas duas coisas estão fortemente em causa desde que, com a geringonça, BE e PCP têm visto empoderado o seu papel”, afirmou.

20-12-2017 Partilhar Recomendar
18-01-2018
PSD quer alargar os projetos de reflorestação aos concelhos afetados pelos incêndios
    Duarte Marques defendeu que o projeto previsto para Pedrógão seja alargado a Mação, Oleiros, Vila Velha de Ródão, Castelo Branco, Proença-a-Nova, Gavião e Nisa.
20-12-2017
“Este foi um ano bem penoso para os portugueses e a responsabilidade é sua que é Primeiro-Ministro”
    Hugo Soares contrariou António Costa e desafiou-o a pronunciar-se sobre a coerência do governo em assuntos como a associação Raríssimas, os CTT, o Salário Mínimo Nacional e o Montepio.
06-12-2017
“Este é um governo sozinho e esgotado”
    Hugo Soares afirmou que em questões estruturais o governo não pode contar com BE e PCP e questionou António Costa sobre o Infarmed e sobre o “flick flack à retaguarda” do PS em relação ao imposto das renováveis.
29-11-2017
Nuno Serra acusa a esquerda de não valorizar os territórios de baixa densidade populacional
    O deputado apelou à implementação de reformas que criem condições para atrair mais população e empresas para estas regiões.
29-11-2017
Maurício Marques apela ao governo para que “pare, escute e olhe”
    Em causa a atuação do executivo em relação aos incêndios e às propostas do PSD que teima em rejeitar.
29-11-2017
Incêndios: “alguém acha razoável o Estado ir cobrar impostos às pessoas que perderam as suas casas?”
    Margarida Balseiro Lopes criticou a esquerda por ter chumbado a proposta do PSD de isenção de IMI a quem perdeu a sua casa.
29-11-2017
Incêndios: PSD propõe a criação de um programa nacional de apoio à recuperação do parque habitacional afetado
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada pela deputada Berta Cabral.
29-11-2017
PSD apresenta propostas para apoiar as empresas e os territórios que foram atingidos pelos incêndios
    Luís Leite Ramos frisou que estas medidas são urgentes e visam resolver problemas que afetam empresas e populações.
29-11-2017
PSD quer prestar Justiça a todas as vítimas dos incêndios deste ano
    Fernando Negrão apresentou 8 iniciativas dos sociais-democratas que visam impedir que o horror se repita.
23-11-2017
Incêndios: é tempo de apoiar as populações e empresas atingidas
    Margarida Balseiro Lopes apresentou as propostas do PSD que passam pela isenção de IMI para os edifícios atingidos e pela isenção do pagamento especial por conta.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas