Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Orçamento: “PSD apresentará propostas a pensar no futuro do País”
Pedro Passos Coelho anunciou que o PSD votará contra o Orçamento porque ele “não está orientado para o futuro, não gera emprego e não incentiva o investimento e a criação de empresas”.
“A nossa preocupação não é estar no leilão orçamental, mas traçar caminhos que respondam aos problemas do País”, afirmou Pedro Passos Coelho, adiantando que o PSD votará contra o Orçamento do Estado e apresentará propostas de alteração.
É necessário “olhar para o tecido económico e saber o que é preciso fazer para crescer mais”, disse o líder do PSD, hoje, ao encerrar, em Braga, as jornadas parlamentares, justificando o voto contra a proposta orçamental para 2018. “É preciso dar atenção às empresas que são quem cria o emprego e o rendimento. Sabemos que, para o PS, quando se fala das empresas, só pensam nos capitalistas. Mas as empresas são importantes, têm acionistas, gestão, trabalhadores, e quando funcionam são, tal como as famílias, um dos eixos fundamentais do regime em que vivemos”, declarou. Um regime em que todas as empresas são do Estado, “esse já o conhecemos. Precisamos de livre iniciativa, de pessoas que arriscam. Para essas pessoas, que fazem as empresas, temos de ter respostas mais ambiciosas, porque senão não teremos mais do que hoje.”
Para o PSD, é importante respeitar a centralidade que as empresas representam na estratégia de recuperação económica. Para o próximo orçamento, é preciso “voltar a endereçar algumas das respostas mais relevantes em termos estruturais, com preocupação em melhorar a qualidade do emprego e nível de rendimento. É preciso corrigir erros que a proposta de orçamento apresenta.”


PSD não suporta orçamentos errados

O líder da oposição anunciou ainda que o PSD votará “contra o Orçamento” e que não podem esperar que seja o Partido “a suportar este Governo, pois não é o PSD que suporta este Governo nem os seus orçamentos errados”.
“O Orçamento do Estado merece o nosso voto contra, porque não serve o interesse coletivo, não está orientado para o futuro, e não traz escolhas políticas a pensar no trabalho que ainda temos pela frente enquanto sociedade. É voltado para quem sustenta o Governo, para o somatório de interesses particulares e não para uma visão de interesse colectivo”, acusou Pedro Passos Coelho.
Este é o terceiro Orçamento do Estado apresentado a pensar no presente, e na sobrevivência da geringonça. Tal como o líder social-democrata disse, “a diferença entre ter um Governo com sentido estratégico ou quem só está preocupado com o presente é que cada Orçamento deve estar inserido num caminho de médio e longo prazo, que nos ajuda a perceber o conjunto de opções assumidas. É isso que faz dele uma peça de estratégia de futuro, e não para gerir o presente consoante as circunstâncias”.
O atual Executivo só tem uma ambição: “oferecer aos portugueses uma recuperação de rendimentos mais rápida do que aquela prevista”. Mas se é verdade que hoje a conjuntura favorece uma recuperação mais rápida, porque o crescimento da Zona Euro é maior, e que a política monetária do BCE tem hoje um resultado mais favorável do que aquele que se fazia sentir em 2015 e que ajuda os países mais endividados a tornar mais leve o serviço da dívida, “também é verdade que não é um programa de longo prazo restaurar rendimentos se não tivermos capacidade de corrigir desequilíbrios. Se à medida que os anos foram passando gerirmos apenas a conjuntura favorável, quando tivermos uma nova crise teremos de voltar ao princípio. E é isso que a comunidade política tinha a obrigação de evitar”.
“Um governo que governasse neste quatro anos, tinha como primeira obrigação contribuir para ultrapassar os desequilíbrios na nossa sociedade e garantir que o incerto fosse enfrentado com mais confiança para não voltarmos à crise”, disse.


“A estratégia económica com que o Governo iniciou funções falhou os objetivos”

As execuções orçamentais deste Governo revelam pelo menos um aspeto: “o Governo não tem uma noção reformista para corrigir os desequilíbrios”. E o que vão fazendo é a “gestão de um ciclo com mais impostos, juros mais favoráveis, e exercício na despesa que comprimiu o investimento público, com um volume de cativações que denunciámos em tempo devido e ficou bem exposto quando a Conta Geral do Estado foi mostrada e se percebeu que o Governo não autoriza a despesa”.
Tal como Pedro Passos Coelho denunciou, do ponto de vista de futuro, “estes exercícios orçamentais que estão a ser repetidos degradam a qualidade das políticas públicas. Não é possível todos os anos gastar menos no SNS e evitar que haja implicação sobre a qualidade do serviço prestado. Sem nenhuma reforma, dificilmente podemos pensar que os serviços públicos terão melhor resultado com o mesmo ou menos”.
“O que estamos a ver é que o Governo se recorre do cíclico e da conjuntura, mas não usa nenhuma dessa margem para fazer uma consolidação estrutural nem financiar alterações estruturais”, acusou. “A estratégia económica com que o Governo iniciou funções falhou os objetivos”, pois o Governo achava que uma mais rápida recuperação dos rendimentos passaria um consumo mais forte. Mas foram o turismo e as exportações que impulsionaram a economia.


Executivo revela ausência de estratégia e opta pelo secretismo

“Ainda hoje não sabemos o que o primeiro-ministro defende na área da defesa e segurança europeias”, relembrou o líder social-democrata. Por várias vezes o PSD tem desafiado o Governo a quebrar o secretismo nesta matéria, mas as repostas tardam em chegar, pois ainda hoje “não sabemos se Portugal é um dos 21 países que comunicou a dizer que queria estar no mecanismo europeu de segurança. E o primeiro-ministro não o revela porque não tem o apoio do PCP, do BE e dos Verdes. Sabendo que não tem o seu apoio, reserva a sua posição”.
É necessário que o Governo se prepare para o futuro. Este pode ter incertezas, e olhando para estas incertezas relativas, “estamos a fazer o que é devido para os preparamos? Não. Iremos para o terceiro ano em que o País faz de conta que está numa UE em que as soluções não durarão indefinidamente.”
Para enfrentar o futuro “temos de ter mais coesão, mais investimento na Investigação e Ciência, com pessoas mais bem preparadas. Isto exige um investimento sério na maneira como estamos organizados e dirigimos o nosso pensamento. Quando olhamos para o contexto externo, em áreas como a segurança económica, no comércio global, vemos um governo que reserva a sua opinião, esconde o jogo, porque não tem jogo para mostrar”.
“A geringonça é hoje tão má como em 2015. Quando disse que esta maioria estava esgotada, não quis dizer que não poderia sobreviver ao tempo. A morte lenta tem custos elevados, e assim são os custos. O tempo passa e não há nenhum programa, nos temas importantes, em que esta geringonça tenha o mínimo de cimento e coesão”, disse.

02-11-2017 Partilhar Recomendar
03-11-2017
Este Orçamento persiste com a desconfiança em relação à iniciativa privada
    Segundo Inês Domingos o executivo governa de costas voltadas para os empreendedores, para as empresas e para a área social.
03-11-2017
Nuno Serra quer saber qual o reforço previsto no Orçamento para a floresta e para a prevenção
    O Vice-Presidente da bancada do PSD questionou o Ministro das Finanças sobre esta matéria.
03-11-2017
Orçamento do Estado faz um ataque desleal aos trabalhadores independentes
    Segundo Cristóvão Norte são 114 mil os trabalhadores independentes que vão ser atacados pelo governo.
03-11-2017
“Este Orçamento traz um grande aumento de impostos indiretos”
    Duarte Pacheco lamentou que este Orçamento não tenha uma única medida destinada à economia.
03-11-2017
Governo olha para a questão operacional de combate a incêndios e socorro às populações de uma forma reativa
    José Cesário quis saber onde estão as verbas destinadas à prevenção de incêndios.
03-11-2017
BE é conivente com as cativações e com o aumento da carga fiscal
    Margarida Balseiro Lopes lembrou que os bloquistas apoiam um orçamento que prevê 1700 milhões de euros de cativações.
03-11-2017
“No Orçamento para 2018 não há uma visão de futuro para o país”
    Para Maria Luís Albuquerque é de lamentar que “quem tem a responsabilidade de governar desperdice deliberadamente a oportunidade de assegurar um futuro mais sustentável”.
02-11-2017
Amadeu Albergaria: Orçamento representa um corte de 2,9% para a área da educação
    O Vice-Presidente da bancada do PSD acusou o Ministro da Educação de tentar enganar as escolas.
02-11-2017
“As dívidas do SNS estão a aumentar avassaladoramente”
    Ângela Guerra alerta que a prestação de cuidados de saúde aos doentes está a ser posta em causa.
02-11-2017
Desde 2016 que o governo reduz as verbas destinadas à prevenção e combate aos incêndios
    Carlos Abreu Amorim recordou que nem nos anos da troika esse valor foi tão reduzido.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas