Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Balanço da política de saúde das “esquerdas unidas”: “descontrolo, desinvestimento e desespero”
Luís Montenegro referiu que com o regresso do PS ao governo regressaram os calotes.
“Passou mais um ano e meio desde que o Partido Socialista, o Partido Comunista e o Bloco de Esquerda assumiram a governação do País. Esses partidos respondem hoje pelo estado em que se encontra atualmente o nosso Serviço Nacional de Saúde (SNS). Já não é tempo de desculpas ou de alijar responsabilidades para terceiros. Quiseram governar e agora têm de se confrontar com o que estão a fazer ao SNS. E a realidade é avassaladora: um SNS cada vez mais endividado, com serviços cada vez mais degradados, com utentes cada vez mais insatisfeitos e profissionais cada vez mais desmotivados”. Este foi o cenário traçado por Luís Montenegro no encerramento do debate, marcado pelo PSD, sobre a política de saúde.
De seguida, o líder parlamentar do PSD enfatizou que, passado um ano e meio de governo das esquerdas unidas, o balanço da atual política de saúde pode ser sintetizado em três D’s: “descontrolo, desinvestimento e desespero”.
“Descontrolo na execução orçamental, descontrolo nos pagamentos em atraso, descontrolo na dívida. Apesar da propaganda do Governo, a realidade demonstra que a execução orçamental na saúde tem sofrido uma crescente deterioração. Não é só o PSD que o afirma. Há menos de um mês, a Direcção-Geral do Orçamento reconheceu isso mesmo. No ano passado, o montante dos pagamentos em atraso dos hospitais públicos agravou-se 20%. E só nos primeiros quatro meses deste ano, os pagamentos em atraso dos hospitais do SNS pioraram 30% face ao ano anterior. A dívida do SNS às empresas fornecedoras de medicamentos aumentou 24%. No sector dos dispositivos médicos, a evolução não é melhor. Acumulam-se também as dívidas do SNS às corporações de bombeiros, que atingem já os 30 milhões de euros, estando os hospitais a pagar faturas com mais de um ano”. Face a este cenário, Luís Montenegro foi perentório em afirmar: “voltou o PS, voltou os calotes. Só há uma novidade, agora o BE e o PCP batem palmas aos calotes na área da saúde”
No que respeita ao investimento, o social-democrata referiu que o atual governo “fez um corte brutal no investimento público no SNS. Em 2016, o investimento no SNS diminuiu mais de 34%, por comparação com o ano de 2015. E só nos primeiros quatro meses deste ano o investimento do Governo no SNS sofreu uma quebra de 54%, face ao mesmo período de 2016. Cabe perguntar, à senhora deputada Catarina Martins e ao senhor deputado Jerónimo de Sousa, perante esta autêntica hecatombe do investimento público, onde está a esquerda? Como podem o PC e o Bloco ser politicamente tão inconsequentes perante as cirurgias adiadas e os atrasos nas consultas médicas, a falta de medicamentos nos hospitais e as reduções nas comparticipações de medicamentos, as falhas e os encerramentos de ambulâncias na emergência médica e a privatização em curso do serviço de helitransporte do INEM”, questionou.
Em relação ao desespero na área da saúde, Luís Montenegro frisou que ele se nota, desde logo, no governo que decidiu um corte cego de 35% com a aquisição de serviços. “Esta verdadeira medida de austeridade, está bem de ver, vai provocar a falta de profissionais de saúde nos hospitais, como o próprio bastonário da Ordem dos Médicos”.
“O PSD denunciou nesta Interpelação a insofismável contradição entre o discurso político do Governo e dos sues acólitos e a realidade dos factos. Nós continuaremos firmes e fieis ao Estado Social, cientes que os portugueses merecem um governo sério e patriótico e não a troika alegre de Costa, Catarina e Jerónimo. Portugal precisa de um governo sério e patriótico, mas não é de esquerda”.

14-06-2017 Partilhar Recomendar
23-05-2018
“Incompatibilidade do Ministro Pedro Siza Vieira não tem consequências?” Fernando Negrão exige esclarecimentos “a bem da ética”
    No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, Fernando Negrão questionou ainda António Costa sobre valorização do interior e os problemas no sector da Saúde.
18-05-2018
Coimbra: PSD defende a realização de obras no Centro de Saúde da Fernão de Magalhães
    Os sociais-democratas consideram a situação preocupante e pedem a intervenção do Ministro da Saúde.
18-05-2018
PSD defende a presença obrigatória de nutricionistas/dietistas nas instituições que prestam cuidados a idosos
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada pela deputada Susana Lamas.
11-05-2018
“O Governo transformou o Serviço Nacional de Saúde no Serviço Nacional da Doença”
    Ricardo Baptista Leite alerta que os “portugueses estão cada vez mais doentes” e que este "descalabro" é culpa do atual governo.
02-05-2018
PSD defende a consagração do dia 15 de junho como o Dia Nacional da Doença de Huntington
    Ângela Guerra apresentou a iniciativa dos sociais-democratas.
02-05-2018
Nisa: resíduos hospitalares a céu aberto preocupam deputados do PSD
    Os sociais-democratas questionaram os Ministros da Saúde e do Ambientes sobre os riscos inerentes a esta descoberta anómala e estranha.
30-04-2018
Deputados do PSD exigem intervenção imediata no Centro de Saúde da Fernão Magalhães
    Fátima Ramos, Margarida Mano e Maurício Marques verificaram “a elevada degradação das instalações e a falta de recursos humanos”.
24-04-2018
“A saúde não é uma prioridade para este governo”
    Ricardo Baptista Leite repetiu o apelo do Presidente da República para que se “inverta o caminho de desinvestimento na saúde que tem vindo a ser executado pelo governo”.
19-04-2018
Doenças raras: Ricardo Baptista Leite lamenta a inação do governo
    O social-democrata recordou que a única iniciativa política que este país já viu no âmbito das doenças raras foi feita pelo governo liderado pelo PSD.
18-04-2018
Saúde: problemas no sector comprovam que a austeridade não acabou
    Fernando Negrão sublinhou que “os serviços que o Estado oferece estão cada vez mais degradados”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas