Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Rosário Águas quer conhecer fundamentos para a alteração do Comparador Público das Parcerias Público-Privadas da Saúde
A deputada social-democrata não compreende os motivos que levaram o Estado alterar o “comparador público’ no decurso do procedimento concursal, após conhecimento das propostas dos concorrentes

No texto das perguntas dirigidas ao Ministro de Estado e das Finanças, Rosário Águas esclarece que “um dos pressupostos para o recurso às parcerias público-privadas é o de que este modelo apresente, para o Estado, vantagens económicas e financeiras, relativamente a formas alternativas de alcançar os mesmos fins (cfr. art.º 6.º, n.º 1, al. c) do DL 86/2003, com a redacção dada pelo DL 141/2006”, os quais devem ser avaliados através de um ‘programa alternativo’ previsto no n.º 2 do art.º 19.º da Lei de Enquadramento Orçamental, comummente designado por ‘comparador público’.

A deputada social-democrata relembra que “Governo lançou em 2008, dois concursos para a construção do Hospital Central do Algarve e do Hospital Oriental de Lisboa (Todos-os-Santos) recorrendo a parcerias público-privadas limitadas à prestação de serviços infraestruturais” e que Lei determina que estes “concursos sejam precedidos de uma avaliação prévia que identifique os ganhos esperados para o Estado resultantes da opção por este modelo tomando por alternativa a opção pública tradicional de financiamento e o respectivo Custo Público Comparável.”

No texto das perguntas enviadas ao Ministro de Estado e das Finanças, Rosário Águas diz presumir-se que este “foi o procedimento seguido e que portanto a opção PPP evidenciava vantagens comparativas para o Estado, o que terá levado o Governo a fixar no programa de procedimento para a admissibilidade das propostas os seguintes limites: 377 milhões para o Hospital Oriental de Lisboa e 260 milhões para o Hospital Central do Algarve, correspondendo estes valores ao já aludido CPC (custo público comparável)”

A deputada refere porém que “as propostas apresentadas pelos concorrentes admitidos a concurso excederam largamente o comparador público evidenciando desvios que vão dos 43% aos 75%” conforme quadro infra:

 

H.Algarve

Desvio

H.Oriental

Desvio

Valor do CPC

260

 

377

 

Proposta 1

372

43%

560

49%

Proposta 2

410

58%

611

62%

Proposta 3

 

 

660

75%

Para a deputada, “o resultado deste concurso não deixa dúvidas e significa que o preço a que os privados estão dispostos a assistir ao contrato excede em muito o patamar( CPC) até ao qual o Estado tem vantagem comparativa para optar por uma PPP.” Rosário Águas afirma ainda que “o próprio procedimento de contratação prevê expressamente a exclusão das propostas finais que sejam consideradas inaceitáveis em virtude de não semostrarem suficientemente satisfatórias para os fins do interesse públicoprosseguidos, nomeadamente quando o respectivo valor actual líquido esperado dos pagamentos arealizar pelo Estado, for superior ao Custo Público Comparável”

Estando também afastado o pressuposto que justificou o lançamento da parceria, -a existência de vantagem económico-financeira para o Estado -, a deputada diz que seria expectável que “o Governo decidisse o lançamento de um novo concurso ou, em alternativa, promovesse directamente a construção dos equipamentos sem recurso a parceiros privados”, citando o próprio Secretário de Estado Óscar Gaspar, que afirmou que “em caso algum adjudicaremos a construção do Hospital Central do Algarve acima do comparador público”.

Rosário Águas diz ter tomado conhecimento, “com estranheza”, de que o Governo “teria procedido a uma alteração do CPC do Hospital Oriental de Lisboa dos 377 milhões iniciais para 430,795 milhões”.

A parlamentar social-democrata solicita ao Governo que disponibiliza à Assembleia da República os “Relatórios que justificaram a opção do Estado de recorrer a PPP para o Hospital Central do Algarve e Hospital Oriental de Lisboa de forma a podermos conhecer os pressupostos e as variáveis associadas”, bem como os “Despachos que fixaram o valor dos CPC inicial e actual”.

Rosário Águas quer ainda que o Governo apresente os “ fundamentos legais que permitiram ao Estado alterar o “comparador público’ no decurso do procedimento concursal, após conhecimento das propostas dos concorrentes e também à luz dos princípios da igualdade e da concorrência” e que sejam explicadas “as razões que levam o Ministério das Finanças e da Saúde a optar por uma PPP que à partida e mesmo antes de estar adjudicada já representa um prejuízo de 50 milhões de euros para o Estado”.

31-05-2010 Partilhar Recomendar
11-09-2019
“Fracasso, ilusão e desorganização é a trilogia triste que caracteriza a forma como António Costa governou”
    Adão Silva declarou que “nunca um governo cobrou tanto dinheiro em impostos e nunca um governo deixou degradar tanto os serviços públicos que deviam servir os cidadãos”.
19-07-2019
Nova Lei de Bases da Saúde não vai melhorar o acesso à saúde dos portugueses
    Ricardo Baptista Leite criticou os socialistas por se terem “encostado à esquerda radical”.
19-07-2019
“Esquerdas-unidas demonstraram o seu total desprezo pelos técnicos superiores das áreas de diagnóstico e terapêutica”
    Na base da acusação de José António Silva está o chumbo da iniciativa do PSD.
19-07-2019
“Vivemos a fase mais negra da história do SNS”
    Ricardo Baptista Leite fala em degradação do acesso dos utentes, numa crescente tensão social dos profissionais e numa desumanização do SNS.
10-07-2019
“O Primeiro-Ministro falhou na proteção da saúde dos portugueses”
    Ricardo Baptista Leite enumerou um conjunto de promessas que António Costa fez e não cumpriu.
05-07-2019
PSD defende a inclusão nos currículos escolares do ensino de suporte básico de vida e desfibrilhação
    Simão Ribeiro enfatiza que “a literacia em saúde é fundamental” e ajuda a salvar vidas.
04-07-2019
Governo transpõe diretivas europeias fora de prazo e sem os pareceres das entidades especializadas
    Inês Domingos fala em desrespeito pelo Parlamento.
04-07-2019
PSD disponível para contribuir para uma boa lei sobre ensaios clínicos de medicamentos para uso humano
    Sublinhando a inegável complexidade da matéria, Isaura Pedro sinalizou matérias que merecem uma ponderação cuidada.
03-07-2019
Maioria parlamentar trata as matérias relevantes “de forma avulsa”
    Cristóvão Crespo censura a política fiscal do governo e fala numa estratégia “colada com cuspo”.
02-07-2019
20 países da União Europeia cresceram mais do que Portugal em 2018
    Apontando vários exemplos do falhanço governativo do PS, Inês Domingos adiantou que é tempo de “escolher uma alternativa reformista”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas