Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Ricardo Baptista Leite: “este é um Orçamento que faz mal à saúde”
O Vice-Presidente da bancada do PSD alerta que os portugueses assistirão, em 2020, à continuação da deterioração do Serviço Nacional de Saúde.
Ricardo Baptista Leite considera que “este é um Orçamento que faz mal à saúde”. No debate do Orçamento do Estado para 2020, o Vice-Presidente da bancada do PSD frisou que com um Orçamento de continuidade “os portugueses assistirão, em 2020, à continuação da deterioração do Serviço Nacional de Saúde”.
De seguida, recordando que o próprio Primeiro-Ministro classificou este como sendo um Orçamento de continuidade, o parlamentar referiu que se nos lembrarmos dos resultados dos últimos quatro orçamentos socialistas, e, acima de tudo, se nos lembrarmos do impacto negativo que tiveram na vida dos portugueses, esta proposta de continuidade orçamental é, verdadeiramente, o pior que o Governo pode propor ao país. “Perante um tempo que exige mudanças e reformas profundas, temos um Governo imóvel, estático e iludido com a sua própria propaganda. Na verdade, a ser este, como diz o Governo, um orçamento de continuidade, os portugueses assistirão, em 2020, à continuação da deterioração do Serviço Nacional de Saúde. A ser um orçamento de continuidade, os portugueses assistirão, em 2020, à continuação do aumento das listas e dos tempos de espera para consultas, exames e cirurgias no SNS. A ser um orçamento de continuidade, os portugueses assistirão, em 2020, ao colapsar dos serviços de urgência, como sucede, nos Hospitais Garcia de Orta, Amadora-Sintra, do Litoral Alentejano, de Faro, de Chaves, de Vila Nova de Gaia, de Coimbra, entre tantos outros”.
Perante a promessa do Primeiro-Ministro de que agora “a Saúde será a jóia da coroa do investimento público”, Ricardo Baptista Leite lembrou a promessa de um reforço na ordem dos 800 milhões de euros para o SNS. “Mas, afinal, em que consistem esses 800 milhões? Ora, 550 milhões serão usados pagar dívidas - dívidas que o Partido Socialista irresponsavelmente tem deixado acumular, ultrapassando todos os prazos razoáveis de pagamento. Já os outros 190 milhões de euros destinam-se teoricamente a investimentos plurianuais, o que significa que, em 2020, apenas uma parte desse montante será eventualmente executada. Mas esta história da carochinha continuou com a intervenção do Ministro Centeno, segundo o qual o Governo iria dotar o setor da saúde, em 2020, de um reforço orçamental de 942 milhões de euros. Bem, se assim fosse, teríamos um aumento de verbas superior a 10%, o que seria uma boa notícia, mesmo que tal reforço, por si só, não resolvesse os graves problemas de gestão que o SNS enfrenta e sobre os quais o Governo pouco faz. O problema é que, quando lemos o Relatório do Orçamento do Estado para 2020, verificamos que a despesa total efetiva consolidada do Programa da Saúde ascenderá neste ano a 11.226 milhões de euros, apenas mais 303 milhões de euros do que o valor previsto no Orçamento para 2019. Ou seja, significa isto que, a ser cumprido o Orçamento, a despesa total efetiva consolidada do Programa da Saúde registará, em 2020, um aumento de apenas 2,8% em comparação com o ano anterior. Descontando a inflação, trata-se de um aumento marginal”.
Assim, resume o parlamentar, “a saúde é, no Orçamento de 2020, uma das áreas da governação que menos cresce. E isto é absolutamente inaceitável e incoerente com o discurso do próprio Governo”.
Sublinhando que “o Orçamento é uma ficção porque as promessas que comporta não têm colagem com a realidade”, Ricardo Baptista Leite concluiu a sua intervenção afirmando que “o PSD aqui estará sempre, para defender intransigentemente o direito de acesso dos portugueses a um sistema de saúde inclusivo e moderno, que assegure a todos os cidadãos cuidados de saúde de qualidade e com equidade, independentemente do lugar onde vivem e das condições económicas que possuem”.
10-01-2020 Partilhar Recomendar
09-01-2020
“Este é um Orçamento sem ambição, sem visão de futuro, sem estratégia, sem rumo e sem responsabilidade”
    Luís Leite Ramos fala numa “peça literária de pura ficção”.
09-01-2020
Carlos Peixoto assinala consequências das cativações nas forças de segurança
    O Vice-Presidente da bancada do PSD fala num “quadro negro”.
09-01-2020
“Orçamento representa uma total ausência de ambição e de compromisso com o futuro”
    Afonso Oliveira atestou que este é um “Orçamento de desistência”.
09-01-2020
Álvaro Almeida: a saúde não é uma prioridade deste Orçamento
    O deputado considera que “o SNS está pior hoje do que estava quando o anterior governo socialista tomou posse”.
09-01-2020
“Costalândia” ou “Centenolândia”: Duarte Pacheco diz que Governo apresentou país imaginário
    O deputado confrontou o Primeiro-Ministro com o retrato do país real que sofre com o aumento da carga fiscal.
09-01-2020
Rui Rio: “o melhor Orçamento” para o Governo “é aquele que tem mais carga fiscal”
    O Presidente do PSD criticou ainda o facto de o Governo “não apostar nas pequenas e médias empresas” e de ignorar o “reforço da poupança”.
20-12-2019
PSD defende a existência de uma rede de cuidados de hemodiálise adequada às necessidades das populações
    Hugo Oliveira fala numa rede de proximidade e com cobertura geográfica alargada.
20-12-2019
Sandra Pereira: “o PSD sempre reconheceu a relevância das terapêuticas não convencionais”
    A deputada lamentou que a governação socialista pouco ou nada faça para responder aos legítimos anseios desses profissionais.
19-12-2019
PSD questiona ministra da Saúde por falta de mamógrafo no Hospital de Chaves
    Os parlamentares consideram que a proximidade e humanização dos serviços encontra-se cada vez mais distante das localidades de baixa densidade territorial.
19-12-2019
Rui Rio acusa o Governo de “fraude democrática” na elaboração do Orçamento do Estado
    O líder do PSD fala em “contas que não batem certo” e em 590 milhões de euros que se “evaporam”.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas