Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Rui Rio acusa o Governo de “fraude democrática” na elaboração do Orçamento do Estado
O líder do PSD fala em “contas que não batem certo” e em 590 milhões de euros que se “evaporam”.
Rui Rio acusa o Governo de “fraude democrática” na proposta orçamental para 2020, porque o Executivo apresentou contas que não batem certo, e deu o exemplo de duas tabelas sobre despesa com uma diferença de 590 milhões de euros.
Durante o jantar de Natal do Grupo Parlamentar do PSD, esta quarta-feira, o líder social-democrata explicou que em causa estão dois valores distintos inscritos em dois quadros da proposta de orçamento entregue na segunda-feira, onde se “evaporam” 590 milhões de euros. “Isto que está aqui é obviamente uma fraude democrática, significa que o Parlamento vai votar mapas de despesa que depois, de forma arbitrária, provavelmente não vai ser executada. É arbitrária, porque é o ministro das Finanças que vai dizer em que circunstância os 590 milhões de euros não vão ser executados”, declarou, exigindo garantias de que existe “um orçamento real e não fictício”.
Rui Rio considera que a “fraude democrática” ocorrerá também se o Governo cumprir o que está inscrito, porque, nesse caso, a disparidade de números irá pôr em causa o propalado saldo positivo nas contas do próximo ano, pelo que não haverá “superávite nenhum”, mas “um pequeno défice”. “Ou aquilo que vai ser aprovado pela Assembleia da República vai ser executado e as contas não vão ter superávite, mas um pequeno défice, ou então há parte da despesa que, desde já e à partida, não vai ser executada para lá de outras cativações que o ministro das Finanças entenda fazer”, apontou.
A discrepância acontece entre os quadros 3.4, da página 62 do relatório do Orçamento, e o quadro 6.1, da página 247, detalhou, acrescentando que se “evaporam 590 milhões de euros, ou seja, há dois saldos em contabilidade pública consoante os objetivos que o quadro pretende demonstrar”.
No primeiro quadro, é incluída uma nota na qual se refere que o saldo da administração central em contabilidade nacional “parte dos limites máximos de despesa fixados em contabilidade pública para se obter uma estimativa que inclui um diferencial de 590 milhões de euros”.
Perante os deputados, o também líder parlamentar do PSD fez uma apreciação globalmente negativa do documento. “O PSD não dá apoio ou desapoio ao Orçamento do Estado da mesma forma que fazem os outros partidos, com base em mais 100 milhões de euros para aqui ou para ali”, justificou.
O Presidente do PSD destacou quais serão os critérios na base das quais os deputados social-democratas decidirão o sentido de voto: se o documento traz uma redução da carga fiscal, se contém incentivos à poupança, se há investimento público, qual o nível de apoios às pequenas e médias empresas, as dotações suficientes para os serviços públicos, bem como se cumpre os objetivos de défice estrutural e da evolução da despesa pública.
“Não identifico no Orçamento do Estado e no discurso político envolvente uma linha de rumo estratégica. Este orçamento visa exatamente o quê? O que noto é um conjunto de medidas desgarradas”, caracterizou.
Sobre a carga fiscal em concreto, Rui Rio reiterou não ter dúvidas de que há um “aumento e não uma diminuição”: “Se o superavit que o Governo apresenta representa 0,2% do Produto Interno Bruto [PIB] e a carga fiscal aumenta na versão B [após correções] 0,2% do PIB, significa que o histórico superavit é conseguido porque o Governo aumentou os impostos para conseguir isto”, afirmou.
19-12-2019 Partilhar Recomendar
10-01-2020
Orçamento não prepara “o nosso futuro coletivo”, mas projeta um Portugal que anda “a viver de ilusões”
    Rui Rio referiu que o PSD vota contra porque o documento não apresenta qualquer rumo ou estratégia.
10-01-2020
André Coelho Lima defende um tratamento de dignidade para as forças de segurança
    O deputado elencou um conjunto de problemas que afetam estes profissionais, fruto das cativações do governo.
10-01-2020
650 mil portugueses sem médico de família comprovam o falhanço da governação socialista
    Referindo-se às promessas do governo, Rui Cristina lembrou igualmente o novo hospital do Algarve que continua sem sair do papel.
10-01-2020
Governo infligiu uma degradação sem precedentes ao SNS
    Alberto Machado denunciou as consequências das cativações no setor da saúde.
10-01-2020
Ricardo Baptista Leite: “este é um Orçamento que faz mal à saúde”
    O Vice-Presidente da bancada do PSD alerta que os portugueses assistirão, em 2020, à continuação da deterioração do Serviço Nacional de Saúde.
10-01-2020
Eduardo Teixeira: este é um “Orçamento de ilusão”
    O deputado adianta que Portugal precisa de um Orçamento que contemple um efetivo crescimento económico, com mais e melhor retribuição e valorização salarial.
10-01-2020
Orçamento não contempla medidas de promoção do crescimento
    Álvaro Almeida acusou Mário Centeno de estar a comprometer o futuro do país.
10-01-2020
Sofia Matos: será que o governo socialista conhece o país que governa?
    A deputada sinalizou as limitações das medidas orçamentais dirigidas aos jovens.
09-01-2020
Governo deixou os edifícios do Estado abandonados e a ruir quando tínhamos pessoas sem sítio para morar
    Filipa Roseta deixou ainda o alerta em relação à utilização do dinheiro das pensões dos portugueses no mercado imobiliário.
09-01-2020
“Portugal tem hoje um investimento público muito abaixo da média europeia”
    Cristóvão Norte denunciou “os truques e a encenações” do Ministro das Finanças.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas