Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
PSD fará “oposição construtiva, dura, incisiva e implacável” na denúncia das “falhas da governação”
Rui Rio reiterou que não seguirá uma política de “bota-abaixo”.
No encerramento no debate do Programa do XXII Governo Constitucional, esta quinta-feira, o Presidente do PSD afirmou que não seguirá uma política de “bota-abaixo”, mas alertou para as exigências que serão feitas pelos partidos à esquerda para um futuro “casamento orçamental” com o PS. “Não estaremos aqui para destruir, nem para criticar tudo o que os outros possam fazer. A política do bota-abaixo carece de inteligência e é própria de quem não se move pelo interesse público, mas sim pelo seu interesse individual ou partidário”, destacou.
Num discurso onde Rui Rio apontou o fracasso dos socialistas em áreas como a justiça, a saúde ou os serviços públicos – “as nódoas mais escuras da governação socialista” – Rui Rio disse duvidar da execução de algumas intenções expressas no programa do Governo, antevendo que será na proposta de Orçamento do Estado que se perceberão as opções da ação governativa. “Até porque o que os orçamentos terão de ter, que este programa não precisa de consagrar, são as exigências que a anunciada noiva fará para aceitar o casamento orçamental”, sublinhou.
Para Rui Rio, “seja num simples namoro ocasional de apenas um ou dois anos, numa união de facto mais ou menos assumida ou num casamento sólido e duradouro”, o “enxoval” do Governo terá de ter como contrapartida “a felicidade desta exigente noiva”. “Uma nubente cara que, seguramente, exigirá do seu companheiro socialista alguma ginástica financeira com o magro rendimento de que dispõe, agora que já não viveremos tempos de grande euforia económica”, disse.
Rui Rio criticou igualmente a falta de aposta nas políticas de apoio ao crescimento económico e no “reforço da competitividade da nossa economia”. “A probabilidade de que Portugal possa, de forma relativamente rápida, ter um nível de vida coincidente com a média comunitária, só poderá existir na mesma medida em que existe a probabilidade de se acertar na lotaria do Natal”, ironizou.
O Presidente social-democrata lamenta que “um Governo sustentado no Parlamento por partidos de ideologia comunista, consiga olhar para os empresários como agentes criadores de emprego e de riqueza, fugindo à lógica dos seus pares, que sempre os tendem a ver como os detentores do capital que oprime a classe operária e alimenta a luta de classes”.
O líder do PSD lamenta também a desvalorização do ministério da Agricultura e diz que faltam medidas na justiça. “No setor da justiça, onde as carências abundam e onde a eficácia não existe – após uma legislatura marcada essencialmente pela injustiça relativa do aumento dos salários dos magistrados – a esperança de podermos caminhar para uma justiça mais célere, mais transparente e mais eficaz parece ter de ser guardada no fundo do baú à espera de melhor oportunidade”, referiu.
A terminar a intervenção, o Presidente do PSD reiterou a sua forma responsável e movida exclusivamente pelo “interesse público” de estar na política. “O PSD move-se pelo interesse nacional. Por isso, obedeceremos sempre à razão e enfrentaremos sempre a realidade com coragem e verdade. São elas que nos devem nortear na ação política. Seremos, pois, em obediência ao mandato que o povo nos conferiu uma oposição construtiva – mas dura, incisiva e implacável para com as falhas da governação. Porque é assim que honramos o nosso mandato e que melhor servimos Portugal”, concluiu Rui Rio, aplaudido de pé por toda a bancada parlamentar do PSD.
31-10-2019 Partilhar Recomendar
14-11-2019
Grupo Parlamentar do PSD elegeu Coordenadores e Vice-coordenadores
   
30-10-2019
Paulo Rios de Oliveira: Portugal apresenta um crescimento económico “miserável”
    O deputado culpa o governo e defende uma efetiva descida de impostos e uma aposta no investimento.
30-10-2019
Pedro Rodrigues alerta que o “governo se prepara para ser o campeão das promessas digitais”
    O deputado afirma que em vez de medidas concretas, o Programa do Governo traz um “conjunto de perplexidades, algumas dúvidas e uma série de incertezas”.
30-10-2019
Sandra Pereira diz que Programa do Governo “é uma completa desilusão” em matéria de violência doméstica
    A deputada refere que o Programa “é curto, vago, impreciso, não estabelece objetivos e não apresenta medidas concretas”.
30-10-2019
Bruno Coimbra: governação recente ficou marcada por “intenções, anúncios e pouca concretização”
    O parlamentar frisa que na área do ambiente é necessária uma governação corajosa.
30-10-2019
Luís Leite Ramos: este não é um Programa do Governo, mas um “catálogo de boas intenções”
    O social-democrata entende que estamos perante um “conjunto de generalidades”.
30-10-2019
Açores: António Ventura elencou o que ficou por fazer nos últimos 4 anos
    O deputado desafiou o governo a passar das palavras à ação.
30-10-2019
Emídio Guerreiro acusa o governo de se comportar como as lojas que aumentam os preços antes dos saldos
    Na base da acusação está a mudança das datas de encerramento das Centrais do Pego e de Sines.
30-10-2019
Fernando Negrão: “este será um Governo para gerir, não para governar”
    O parlamentar considera que o Programa do Governo “traz-nos uma mão cheia de nada”.
30-10-2019
Cristóvão Norte: “o crescimento económico não é prioridade para este governo”
    A acusação foi deixada pelo deputado no debate do Programa do Governo.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas