Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Fernando Negrão acusa António Costa de “não ser um Primeiro-Ministro para o povo”
O líder parlamentar do PSD destacou ainda a “falta de transparência” do governo no processo de reconstrução das casas atingidas pelos incêndios.
“A tragédia de Pedrógão Grande roubou a vida a dezenas de pessoas, hipotecou centenas de famílias e reduziu a pó as aspirações de milhares de pessoas”. 2 anos após esta tragédia, Fernando Negrão levou o tema a debate com o Primeiro-Ministro, enfatizando que o Estado falhou em toda a linha na proteção e no socorro e “continua a falar na reconstrução da vida destas pessoas”.
Lembrando que só no ano de 2017 foram 116 as pessoas que perderam a vida fruto dos incêndios, o parlamentar recordou que só nos dias 15 e 16 de outubro estima-se que aproximadamente 1550 habitações, em 36 concelhos, tenham sofrido danos. Na altura, adianta o deputado, o então Ministro Pedro Marques “presidiu a sucessivas cerimónias de consignação de reconstrução de casas anunciando a conclusão da totalidade das casas, no máximo, até ao final de 2018. Mais uma vez o governo mentiu aos portugueses. Ao contrário do que tem sido dito, não são 6 ou 7 casas que estão por reconstruir. No último balanço que a CCDR fez, em abril de 2019, ainda havia uma percentagem de 30% por reconstruir, só na região centro”. Acrescentando que não há transparência nos apoios concedidos, Fernando Negrão pediu a António Costa para fazer um ponto de situação verdadeiro acerca da destruição das casas e sua recuperação.
De seguida, o líder da “bancada laranja” questionou a António Costa se pode garantir que, na sequência da decisão de não construção da barragem do Fridão, os portugueses não poderão vir a ter de pagar à EDP 218 milhões de euros a título de indemnização. Perante a insinuação do Primeiro-Ministro, Fernando Negrão fez questão frisar que “é advogado, mas enquanto deputado sou advogado do povo, o senhor está-se a rir porque não é primeiro-ministro para o povo”, afirmou, criticando Costa por ter “regressado às insinuações. É nisso que o senhor é bom, nas insinuações que faz”.
Na temática do ambiente, o líder parlamentar do PSD quis saber que medidas já tomou o governo para corrigir a situação da remoção dos filtros de partículas dos automóveis, que é uma prática ilegal e que é da inteira responsabilidade do governo, uma vez que não existe ainda regulamentação. Uma pergunta à qual António Costa não se dignou responder e que levou Fernando Negrão a dizer que “quase se sentia tentado” em protestar junto da mesa da Assembleia da República, pela ausência sistemática de respostas por parte do Primeiro-Ministro. “Não responde a uma única pergunta, limita-se a insultar”, resumiu o líder parlamentar do PSD.
18-06-2019 Partilhar Recomendar
19-02-2010
António Leitão Amaro e Nuno Reis pedem esclarecimentos sobre alteração do Regime Jurídico das Urbanizações e Edificações
    Deputados alertam para efeito de “bomba-relógio” da nova legislação
17-02-2010
Atraso na construção do Centro de Formação da GNR em Portalegre preocupa PSD
    Cristóvão Crespo denunciou os constantes anúncios de membros do Governo sobre início da obra que, até ao momento, ainda não arrancou.
17-02-2010
Hugo Velosa questiona disparidades das verbas do PIDDAC entre Açores e Madeira
    O deputado denuncia a existência de uma grande diferença entre as verbas definidas para as duas Regiões Autónomas sem que existam motivos que o justifiquem
17-02-2010
Bacelar Gouveia preocupado com homejacking na Região do Algarve
    Deputado do PSD questionou o Ministro da Administração Interna durante a discussão do Orçamento do Estado para 2010
17-02-2010
“Verba para a formação dos agentes é insuficiente”
    Luís Montenegro defende que a verba destinada à formação de novos agentes de segurança pública é insuficiente
05-02-2010
Número de efectivos da GNR de Tondela é insuficiente
    Actualmente com 38 guardas, quando deveriam ser 96
Início Anterior
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas