Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“António Costa pretende acabar a Legislatura como a começou: com um golpe parlamentar”
Adão Silva sublinhou que para o PSD “o equilíbrio das contas públicas é inegociável”.
“O Dr. António Costa pretende acabar a Legislatura da mesma forma como a começou: com um golpe parlamentar. Em 2015, apesar dos anúncios antecipados de vitória, o Dr. António Costa perdeu as eleições. Não importou. O Povo não quis que governasse, mas um golpe parlamentar juntou um quarteto de derrotados impondo-se à vontade do Povo, que tinha dado a vitória ao PSD. Agora, nos últimos dias, o Dr. António Costa tem ensaiado um novo golpe parlamentar para abandonar, antes de tempo, as suas responsabilidades de Primeiro-Ministro. Só que agora este golpe parlamentar tresanda a charada, a golpe de teatro rasca. Uma farsa com ampla divulgação, é certo, mas que é contraditória na substância, que nasce da mentira mais descarada e de que já todos percebemos os fins últimos”. Foi com estas palavras que Adão Silva iniciou a declaração política em nome do PSD, esta quarta-feira.
De seguida, o Vice-Presidente da bancada do PSD recordou que para responder às exigências dos parceiros da gerigonça, o PS e o governo prometeram aos professores a contagem integral do tempo de serviço que o governo socialista de José Sócrates congelou em 2005. “Esta promessa não foi pontual. Foi repetida ao longo de 2017 e 2018. Mais, tal promessa seria até, ao que parece, a moeda de troca para que o Orçamento do Estado de 2018 fosse aprovado. Mais ainda, que aquele tempo seria contado na íntegra e era uma promessa de mãos rotas já que o propósito do governo e do PS era a contagem de todo o tempo de serviço, sem qualquer cláusula travão na despesa pública”.
O PSD, adianta o deputado, sempre entendeu que estas promessas não estavam devidamente sustentadas, as contas não estavam feitas e, por isso, acauteladamente nos distanciámos delas. “Nós, no PSD, valorizamos o rigor orçamental e as contas certas. Temos memória fresca dos sacrifícios que os portugueses tiveram de passar para corrigir os desmandos orçamentais do governo socialista de José Sócrates. Em março passado e depois de incontáveis peripécias anteriores, marcadas por falsas negociações, ameaças, avanços e recuos, golpes e contra-golpes, intoxicando a opinião pública contra os professores, rompendo com as promessas feitas aos professores e, já agora, aos parceiros de governação, o governo aprovou o Decreto-Lei nº 36/2019, que dá o dito por não dito e apenas permite a recuperação de 2 anos e 9 meses do tempo de serviço passado, ao longo de vários anos, conduzindo a injustiças flagrantes entre os professores”.
Face a este cenário, refere Adão Silva, o PSD não podia nem devia aceitar tamanha cambalhota do Dr. António Costa. “Por isso, apresentámos propostas de alteração ao Decreto-Lei que reconhecem aos professores o direito à recuperação integral do tempo de serviço prestado, desde que salvaguardado o equilíbrio orçamental, o respeito pelo Pacto de Estabilidade e Crescimento, a situação económica e financeira do País, o controlo da dívida pública e a sustentabilidade futura do sistema público de educação.
Assim, contrariamente ao que tem sido a intoxicação da opinião pública, por parte da máquina de propaganda do PS e do Governo, as propostas do PSD não comportam qualquer “orgia orçamental”. Como é nosso timbre, o PSD foi, mais uma vez, coerente, responsável e com sentido de Estado. O PSD reafirmou que o equilíbrio das contas públicas é inegociável. Estranhamente, o PS votou contra estas cláusulas de prudência e de responsabilidade que o PSD apresentou e defendeu, no Plenário e na Comissão de Educação. O PS foi irresponsável e definitivamente, não quis concretizar o direito dos professores, esquecendo os compromissos reiteradamente por ele assumidos”.
Repudiando a “deplorável fuga às suas responsabilidades” que representou a encenação do Primeiro-Ministro, o Vice da “bancada laranja” realçou a diferença o comportamento do Primeiro-Ministro, António Costa, “com o do Primeiro-Ministro Passos Coelho que, perante as dramáticas exigências do resgate financeiro, se dirigiu aos Portugueses para lhes dizer que, «Apesar das dificuldades, eu não abandono o meu País». Que diferença”.
Face a esta crise artificial criada por António Costa, Adão Silva reafirmou a posição do PSD, repetindo o que foi dito pelo Dr. Rui Rio: “quando, no próximo dia 10, depois de amanhã, as propostas de alteração ao Decreto-Lei nº 36/2019 forem votadas, o PSD vai, coerentemente, manter as suas posições e princípios sem qualquer alteração. Insisto: vamos propor no Plenário da Assembleia da República a inclusão das propostas de salvaguarda financeira, tal como as apresentámos e votámos, indiciariamente, no passado dia 2 de maio. Nós não mudámos de posição. Não recuámos. Não temos duas caras, Não enganamos os Portugueses. Não fazemos teatro. Se o governo e o PS estiverem de boa-fé, votarão as nossas propostas, que procuram atender aos direitos dos professores, num quadro de escrupulosa salvaguarda financeira. Se o PS votar contra a nossa proposta de salvaguarda financeira, então ficará claro, para todos os Portugueses, não apenas a incoerência do Governo, mas muito especialmente a farsa que o Dr. António Costa montou”.
A terminar, Adão Silva deixou o voto de que espera que, no meio desta comédia de enganos, desta crise artificial, os portugueses em geral e os professores em particular não sejam as vítimas inocentes de uma maquinação política onde o que apenas importa são os interesses eleitorais do PS e do Dr. António Costa.
08-05-2019 Partilhar Recomendar
17-03-2010
PSD acusa Governo de ter traído os parceiros sociais da educação
    Vânia Jesus teme que o Governo tenha desperdiçado a oportunidade que o PSD lhe deu para devolver a estabilidade às escolas
17-03-2010
Valores como os da assiduidade, disciplina, trabalho e rigor foram postos de parte nas escolas
    Emídio Guerreiro criticou o Estatuto do Aluno, a falta de responsabilização e defendeu um envolvimento de toda a comunidade educativa para evitar mais casos de «bullying»
16-03-2010
OPINIÃO / “Coisas de criança”
    “Não ligue, são coisas de criança”. Esta foi a resposta de um Director da Escola a uma mãe que se queixava das agressões de que o seu filho era vítima. Ao ver e ouvir isto num canal de TV senti uma raiva crescente. Não aceito, ninguém pode aceitar, esta ligeireza, esta desresponsabilização por parte de quem gere um espaço determinante na formação das gerações vindouras!
22-02-2010
PSD questiona Ministra da Educação sobre o Orçamento do Estado para 2010
    A gestão do parque escolar, o estatuto da carreira docente, os apoios aos alunos com necessidades educativas especiais e a distribuição de computadores pelo Governo foram alguns dos temas levantados pelos deputados do PSD
15-02-2010
OPINIÃO / (Des)Confiança no Ensino Superior?
    Nunca antes como hoje, em que vivemos ou queremos viver num mundo do conhecimento, a educação se tornou tão central e prioritária. Os países que querem ter futuro caminham a passos largos para ter a totalidade da sua população jovem com o Ensino Secundário completo e metade dela a concluir o Ensino Superior. Mas o desafio quantitativo tem de ser acompanhado também com níveis de qualidade pedagógica e investimento ambiciosos.
12-02-2010
PSD quer esclarecimentos sobre abuso fraudulento do Programa e-escola
    Denúncia de uma funcionária administrativa da Escola EB 2,3 José Anjos alerta para vulnerabilidade da utilização abusiva do programa
10-02-2010
Pedidos de abertura de novos cursos sem resposta do Governo
    PSD denuncia ausência de respostas da tutela de pedidos que remontam a 2006
09-02-2010
Paulo Batista Santos pede esclarecimentos sobre alargamento do Programa de Modernização do Parque Escolar nas escolas do concelho da Batalha
    Deputado pede acesso a novo projecto que inclui Escola Sede do Agrupamento de Escolas da Batalha – Escola Básica Mouzinho de Albuquerque
09-02-2010
Serviço de Acção Social Escolar está desajustado da realidade actual
    Deputados pedem esclarecimentos ao ministro Mariano Gago
Início Anterior
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas