Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Professores: PSD defende a contabilização integral do tempo de serviço congelado
Margarida Mano assume que este é o compromisso de governo que os sociais-democratas estão prontos para assumir a partir de outubro.
O PSD levou a debate, esta terça-feira, a Apreciação Parlamentar do Decreto-Lei do governo sobre o tempo de serviço dos professores. Em nome do PSD, Margarida Mano enfatizou com este é um debate marcado a várias vozes: a voz de mais de 20 mil cidadãos que apresentaram uma Iniciativa Legislativa, as apreciações parlamentares e a voz das 10 organizações sindicais, com uma Petição que recolheu mais de 60 mil assinaturas.
De seguida, o Vice-Presidente da bancada social-democrata afirmou que o PSD está presente neste debate com uma proposta. “E está presente por duas razões: primeiro porque o Governo criou um problema, demorou dois anos a fazer de conta que o resolvia e, depois de muita ambiguidade, incompetência e sobranceria, eventualmente deslumbrado na mestria de fazer «truques», assumiu que este desaparecia, sem que tivesse que cumprir a palavra dada. Mas o problema não é daqueles que se resolve sozinho. O Governo foi incapaz de resolver o problema que criou e ampliou. Hoje, é o Governo um problema, em si mesmo, e cabe aos portugueses resolvê-lo. A segunda razão prende-se com o compromisso que o PSD, o maior partido português, tem para com o país. Trata-se de um compromisso de responsabilidade e de confiança, que nos motiva a fazer sempre mais e melhor e a resolver os problemas graves criados por Governos demagógicos, da mesma forma que nos legitima a ser uma alternativa de futuro a todo o tempo”.
Com esta iniciativa, adianta a parlamentar, o PSD vem assumir as suas responsabilidades em nome dos portugueses. “Estamos conscientes que o congelamento da progressão das carreiras dos professores, sempre iniciado por governos socialistas, surgiu no contexto de grandes desafios orçamentais, que motivaram decisões difíceis no passado, e que foram ultrapassados com o contributo dos Portugueses. Ainda que subsistam incertezas não negligenciáveis, é necessário olhar para o futuro e ajustar, com prudência, a realidade de hoje à ambição do amanhã. Este ajuste não pode, como no diploma do Governo, comprometer a confiança nos processos de concertação social nem enganar, fazendo crer que dá o que não está a dar, como também não pode, como no caso dos parceiros do Governo, ser um ajuste demagógico, com o perigo de se cair no facilitismo de se anunciarem propostas ambiciosas que nunca serão implementadas, por insustentabilidade financeira, ou mesmo por inconstitucionalidade”.
Margarida Mano enfatizou, de seguida, que a proposta do PSD é séria para com os principais agentes de um serviço de educação que se quer exigente e de qualidade, mas é sobretudo responsável por que pensa estrategicamente o superior interesse dos alunos e do país. “É uma proposta que assume a contabilização integral do tempo de serviço que esteve congelado, 9 anos 4meses e 2 dias, no respeito pela regra da despesa contida no Pacto de Estabilidade e Crescimento. É uma proposta que garante que, em 2019, são já contabilizados 2 anos, 9 meses e 18 dias, e não apenas daqui a 6 anos como decorre, para alguns docentes, da proposta do Governo. Fá-lo no respeito pela norma travão, dada a palavra dada pelo Ministro das Finanças de que está consagrada uma dotação para o efeito no Orçamento de 2019. É uma proposta que valoriza a concertação social como espaço incontornável de compromisso em Democracia, que foi menosprezado pelo atual Governo, e é uma proposta que salvaguarda a separação de poderes, a transparência e o respeito de competências e de responsabilidades do Governo e da Assembleia da República. É uma proposta que estabelece critérios de compromisso com a sociedade a médio e longo prazo que, em processo negocial permitirão definir os termos e o modo como se concretizará a recuperação do tempo remanescente, com efeitos no próximo ano”.
Dirigindo-se à bancada do PS, a Vice-Presidente da “bancada laranja” frisou que o PSD não tem medo de fazer escolhas. “Sabe bem como é difícil fazê-las em momentos indesejáveis. Numa época de populismos, mantemos o compromisso com a verdade e seriedade, face à alternativa de enganar, dar para comprar votos, ou dar esmolas para calar quem incomoda. Mas também sabemos dar, e dar bem, assumindo o preço da justiça social e do compromisso com as gerações futuras. Contamos que esta Assembleia saiba valorizar o equilíbrio entre o esforço do País e o valor da Educação para votar favoravelmente a nossa proposta. A proposta do PSD é responsável e representa uma última oportunidade que damos a este Governo para resolver o problema que criou ou, se para tal não lhe sobrar o engenho e a arte, o nosso compromisso de governo, a partir de outubro".
A terminar, Margarida Mano reiterou que o PSD quer “volta a dar esperança aos professores, valorizando acima de tudo o Futuro da Educação”.
16-04-2019 Partilhar Recomendar
10-05-2019
António Costa revelou a sua falta de sentido de Estado e de responsabilidade
    Fernando Negrão sustentou ainda que “confiar ao PS a garantia das boas contas é como confiar à raposa a guarda do galinheiro”.
10-05-2019
Professores: proposta do PSD traduzia um firme compromisso de responsabilidade e de confiança do país para com a educação
    Em sentido contrário, lamenta Margarida Mano, temos um PS que considera “ludibriar as pessoas um talento digno de elogio”.
08-05-2019
Pedro Pimpão: “estamos perante uma crise encenada, uma farsa”
    O deputado acusou o governo de ter instrumentalizado os professores por mero “tacticismo político”.
08-05-2019
“António Costa pretende acabar a Legislatura como a começou: com um golpe parlamentar”
    Adão Silva sublinhou que para o PSD “o equilíbrio das contas públicas é inegociável”.
08-05-2019
Para o governo o PCP passou a ser um “zero à esquerda”
    Álvaro Batista considera que se trata de uma “desconsideração” por um partido que tem sido “muleta do governo”.
08-05-2019
“António Costa quis desviar as atenções dos portugueses do que verdadeiramente lhes está a correr mal”
    Germana Rocha fala em “golpe palaciano”.
16-04-2019
Pedro Alves acusa o governo de querer discriminar os professores
    O deputado lembra que o executivo enganou deliberadamente os professores.
22-02-2019
Amadeu Albergaria: “o governo cativou a educação”
    O deputado lembrou que Portugal tem a maior carga fiscal de sempre, mas as escolas estão à míngua.
22-02-2019
Os portugueses sentem na pele os efeitos do grave desinvestimento no Serviço Público de Educação
    Segundo Germana Rocha os portugueses estão cansados de ver a execução substituída pela cativação.
22-02-2019
“Também na educação esta foi uma legislatura perdida”
    Pedro Pimpão defende que os portugueses precisam de respostas concretas e não de escapatórias, promessas e anúncios.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas