Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“O Governo não consegue nomear pessoas qualificadas sem serem familiares?”
Fernando Negrão entende que o “Governo está a funcionar em circuito fechado”.
Fernando Negrão aproveitou o debate quinzenal com o Primeiro-Ministro para confrontar António Costa com o caso de uma das vítimas dos incêndios de outubro, com o relatório da OCDE e com caso das nomeações.
No que respeita ao primeiro tema, o líder parlamentar do PSD referiu que Tatiana de Sousa é mãe de duas meninas e foi uma das vítimas dos incêndios de outubro. De acordo com o parlamentar, esta mulher foi inclusive rosto, juntamente com as filhas, de uma campanha publicitária organizada pelo governo cujo nome era “Portugal Chama”. “O fogo destruiu por completo a casa desta senhora e das suas filhas. Para o efeito publicitário a tragédia pessoal foi amplamente explorada. O que se passa agora, ano meio passado sobre o incêndio, é que Tatiana de Sousa e as suas duas filhas continuam sem receber qualquer apoio do Estado e nem sequer são reconhecidas como vítimas”.
Depois de questionar António Costa sobre o que se passa com o apoio a estas vítimas, Fernando Negrão adiantou que, entre 27 de outubro de 2017 e 5 de janeiro de 2019, esta senhora e as suas filhas viveram numa casa sem água e sem luz e neste momento vivem numa casa de pessoas amigas que as abrigaram. “Amanhã, 5 de abril, Tatiana de Sousa vai fazer greve de fome para tentar denunciar a sua situação”, alertou.
Outro dos temas abordado pelo social-democrata, também ele revelador da forma como o país vai sendo governando, centra-se no relatório da OCDE sobre as perspetivas económicas dos países. Refere o líder da “bancada laranja” que todos os anos esse relatório tem um capítulo sobre a reforma da justiça e corrupção. Em fevereiro foi apresentado o relatório, cujo relator foi Álvaro Santos Pereira que esteve esta semana na comissão a responder aos deputados sobre a intervenção do governo nesse relatório. Na audição, Álvaro Santos Pereira disse que “houve pelo menos algum incómodo. Quer a delegação portuguesa da OCDE, quer mais tarde um membro do governo revelaram algumas preocupações com o relatório, nomeadamente manifestaram a intenção de remover a palavra corrupção do relatório. Nada do que está neste relatório é extremamente controverso, o que não podíamos aceitar é que, só porque um governo diz que não gosta da palavra corrupção, essa palavra não apareça.” Dirigindo-se a António Costa, Fernando Negrão perguntou qual a razão para o governo não aceitar a inclusão da palavra corrupção neste relatório.
Por fim, o líder parlamentar do PSD referiu-se ao “elefante na sala”, que tem a ver com as nomeações e relações familiares. Frisando que “já entrámos na fase infantil da política no que diz respeito a este tema, de andar a ver quem é que tem ou teve mais primos”, o social-democrata reafirmou as palavras de Rui Rio: “os portugueses perceberam que o governo ultrapassou todos os limites e que nomeia não por critérios de competência, mas por critérios de laços familiares”. Tento estas palavras por base, Fernando Negrão quis saber “o que se passa com o governo? Não consegue nomear pessoas qualificadas para exercer funções sem serem familiares dos membros do governo?”
Face a mais uma fuga à resposta do Primeiro-Ministro, o parlamentar enfatizou que “os portugueses estão à espera de uma resposta sua para justificar o ponto a que chegaram as nomeações. Há várias dezenas de casos que não têm explicação a não ser o facto de o governo estar a funcionar em circuito fechado, entre os membros do governo e os seus familiares. É para isto que o senhor tem de ter uma reposta para dar aos portugueses que estão indignados. Peço e exijo uma resposta às perguntas que são feitas todos os dias nas ruas”.
04-04-2019 Partilhar Recomendar
13-05-2019
Cativações e cortes no investimento. “Chama a isto boa gestão das contas públicas?”
    Fernando Negrão acusou António Costa de fazer um “brilharete nas contas” à custa de corte no investimento.
10-05-2019
Bancadas do PS, BE e PCP “são a lavandaria política do governo socialista”
    No debate sobre o Fundo de Solidariedade Europeu, Rubina Berardo acusou as bancadas da esquerda de branquearem a atuação do governo.
10-05-2019
Gestão do Fundo de Solidariedade tem sido incompetente, imoral e uma vergonha
    Duarte Marques considera “indigno” que o governo queira ficar com o dinheiro destinado aos municípios afetados pelos incêndios.
10-05-2019
Incêndios: “o governo aproveita-se da desgraça alheia para financiar serviços públicos”
    António Lima Costa afirma que o governo desviou verbas europeias destinadas às zonas afetadas para financiar organismos da administração central sediados em Lisboa.
25-04-2019
25 de Abril: PSD avisa que portugueses repudiarão clubismo partidário ou nepotismo
    Pedro Roque confessou que, apesar deste dia ser de “união em torno de um bem maior”, tem “alguma apreensão” com o futuro do país.
03-04-2019
Governo só veio criar confusão e propaganda no combate aos incêndios
    Duarte Marques alertou que todas as autoridades estão desiludidas com as alterações promovidas pelo executivo.
03-04-2019
Incêndios: Estado tem de dar o exemplo e limpar os terrenos
    Emília Cerqueira destacou ainda o trabalho das forças e serviços de segurança.
19-03-2019
Passe Único: “medida eleitoral como nunca se viu”
    Fernando Negrão acusou o governo de apresentar a redução dos preços dos passes apenas para Lisboa e Porto e de não aumentar o número de transportes.
13-03-2019
PIN Pedras Salgadas: “parece-nos difícil haver projetos desta importância que sejam construídos contra as populações”
    Paulo Rios de Oliveira considera que estamos perante um difícil divórcio quando a população deixa de falar no “seu local” e passa a falar no “local deles”.
21-02-2019
Incêndios: Relatório do Observatório Técnico Independente “coloca a nu a falta de estratégia do governo para uma verdadeira política florestal”
    Luís Pedro Pimentel enumerou vários dos erros cometidos pelo executivo.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas