Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Para a esquerda tudo se resume a tentar ganhar mais uns votos”
Álvaro Batista criticou a “hipocrisia política” dos partidos que adiam para a véspera das eleições a resolução dos problemas dos precários do Estado.
“A precariedade que afeta neste momento tantos trabalhadores na administração pública, o trabalho precário que afeta neste momento mais trabalhadores do Estado do que em 2015, não devia servir para a hipocrisia política, não devia servir para a esquerda que manda no país sacudir a água do capote do seu próprio falhanço”. Foi com estas duras palavras que Álvaro Batista iniciou a sua intervenção, esta sexta-feira, no debate sobre o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP).
No entender do social-democrata, esta esquerda que governa Portugal vai para 4 anos, é incapaz de assumir responsabilidades ou explicar porque é que hoje há mais trabalhadores precários no Estado. “Esquerda que vem aqui com a soberba de quem nunca assume responsabilidades, esquerda que nunca pede desculpas pelos insucessos e, também é hoje patente, esquerda que raramente cumpre o que promete. Uma semana depois de ter aprovado um Orçamento sem dinheiro para integrar os precários, o PCP marca um debate para fazer de conta que está preocupado com os atrasos do processo de regularização. Pura hipocrisia, esta, a do PCP”.
Recorda o parlamentar que o PSD avisou que o processo criado pela Proposta de Lei do governo era demasiado complexo e não iria servir para regularizar rapidamente os problemas às pessoas. “A esquerda fez ouvidos de mercador, mas este debate prova que era o PSD quem tinha razão. O Governo começou depois o processo à espera de poupar dinheiro com a integração dos precários, pois queria obrigá-los a optarem entre a redução dos salários ou o despedimento. Graças ao PSD não o conseguiu, mas a esquerda nunca tratou de encontrar os meios financeiros necessários a pagar os encargos com a integração, mesmo depois de ter descoberto que não conseguiria manter as mesmas fontes de financiamento, pois a maioria dos precários, sendo pagos por fundos comunitários, terão de passar a ser remunerados por verbas do orçamento, logo que sejam integrados.”
De seguida, Álvaro Batista referiu-se à intenção do governo em adiar a resolução deste problema para perto das legislativas de 2019. “E porquê, perguntarão as pessoas lá fora? Simples, para a esquerda tudo se resume a tentar ganhar mais uns votos e, se assim for feito, o governo que vier a seguir que pague a despesa. E nós dizemos, vergonha. Vergonha enganarem as pessoas. Vergonha a falta de respeito pelos trabalhadores do Estado em situação de precariedade, a falta de respeito por enfermeiros, investigadores, docentes, bolseiros, assistentes técnicos, assistentes operacionais e muitos outros que acreditaram iriam finalmente ter a sua situação profissional regularizada, mas não veem fim para o seu calvário. Vergonha este governo andar a contratar assistentes operacionais precários para as escolas, a tempo parcial, a ganharem 3,80 € à hora, 300 euros por mês. Vergonha existirem hoje muito mais contratos a prazo no estado do que quando as esquerdas começaram a governar em 2015 e não são mais umas dezenas ou umas centenas. São milhares os contratos a prazo que há a mais hoje no Estado do que havia com o anterior governo. Vergonha as esquerdas terem aprovado há 8 dias o orçamento para 2019 sem dinheiro para integrar os precários e virem aqui hoje a fazer a pantomina da preocupação.”
A terminar, Álvaro Batista aliado a tudo isto assistimos às cativações “sem tino” do Ministro Centeno, que originam a que os funcionários sejam obrigados a comprar e a levar papel higiénico de casa para os seus locais de trabalho. “Há greves, greves e mais greves e o descontentamento não para de aumentar, pois já não há ninguém que não se sinta enganado em alguma coisa por este governo e pelos partidos que o apoiam. As pessoas pedem-nos que sejamos sérios na ação política e a esquerda tem feito tudo ao contrário com os trabalhadores precários do Estado”.

07-12-2018 Partilhar Recomendar
23-02-2017
Se o governo continuar com estas políticas a sustentabilidade do SNS não estará assegurada
    Luís Vales acusou comunistas e bloquistas de agora não estarem preocupados com os trabalhadores com pagamentos em atraso.
23-02-2017
Descentralização: o PSD foi o único partido que apresentou propostas no Parlamento
    Berta Cabral lamentou o atraso do governo na apresentação das suas iniciativas.
23-02-2017
Abandono escolar precoce aumentou pela primeira vez em mais de 10 anos
    Amadeu Albergaria considera que a incompetência do Ministro da Educação é trágica para o nosso futuro coletivo.
23-02-2017
“As esquerdas não têm um projeto comum a olhar para o futuro de Portugal”
    No debate sobre a “Reforma do Estado e Acesso aos Serviços Públicos”, Hugo Soares frisou que “o governo das esquerdas é o inimigo dos serviços públicos”.
15-12-2016
Carla Barros lembra o “cadastro” do PS em matéria de mobilidade dos trabalhadores
    A deputada afirmou que o PSD defende um modelo assente em três aspetos: valorização e dignidade do trabalhador, um serviço público de elevada qualidade e o seu custo para os portugueses.
12-10-2016
PSD alerta para “rutura dos serviços públicos e paralisação do Estado social”
    António Leitão Amaro considera esta é mais uma fatura da desastrosa governação das esquerdas.
23-09-2016
Iniciativas para revogar o regime de requalificação são insensatas e oportunistas
    Carla Barros lembra que este é um instrumento fundamental na gestão estratégica de recursos humanos da Administração Pública.
16-06-2016
Alterações do Governo à Chave Móvel Digital são “curiosas, interessantes e bizarras”
    Paulo Rios de Oliveira manifestou a disponibilidade do PSD para, em sede de comissão, analisar estas alterações e as previstas para o cartão de cidadão.
15-04-2016
Luís Montenegro acusa o Primeiro-Ministro: “palavra dada não foi palavra honrada”
    O líder parlamentar do PSD lamentou que a palavra dada por António Costa tenha sido esquecida com a contratação de Diogo Lacerda Machado pelo Governo.
21-01-2016
Governo PSD/CDS simplificou e modernizou a administração pública
    Segundo Jorge Paulo Oliveira os novos espaços do cidadão já realizaram mais de um milhão de atendimentos.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas