Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“O retrato dos serviços públicos é o retrato do caos”
Pedro do Ó Ramos afirmou que o governo das esquerdas é o “campeão do desinvestimento público e consequente degradação dos serviços”.
O Grupo Parlamentar do PSD levou a debate, esta quinta-feira, “a qualidade da resposta dos serviços públicos”. Pedro do Ó Ramos, que abriu o debate, começou por referir que a semana que decorre ilustra bem o que vimos hoje aqui denunciar: diminuição clara da qualidade dos serviços públicos. “No dia 1 de outubro, 2ª feira, iniciou-se uma greve dos trabalhadores das bilheteiras e revisores da CP. Consequência: encerramento de 85% dos locais de venda de bilhetes e afetação da circulação ferroviária, com alterações do percurso dos utentes. Igualmente no dia 1 de outubro, teve início uma nova greve de professores. Consequência: milhares de alunos sem aulas”.
De acordo com o social-democrata, este é o estado dos serviços públicos em Portugal. “É o retrato da sua degradação, sendo enorme a indignação e desmotivação dos funcionários, que veem de dia para dia o colapso dos serviços. Essa degradação é visível e sentida pelos cidadãos nas mais diversas áreas”.
De seguida, o parlamentar percorreu algumas das áreas em que essa degradação é visível. No que respeita à saúde, o deputado lembra que entre meados de 2015 e final de 2017 o número de doentes em lista de espera para cirurgia aumentou mais de 30 mil. “O tempo médio de espera para a realização de uma primeira consulta de especialidade hospitalar passou de 115 dias para 121 dias. A par desta degradação para o utente, o SNS viu a sua dívida aumentar 40% entre dezembro de 2015 e março de 2018. Também os pagamentos em atraso dos hospitais EPE do SNS, registaram uma enorme subida nos últimos dois anos e meio, tendo passado de 451 milhões de euros, em dezembro de 2015, para 705 milhões de euros, em março de 2018”.
No que respeita à área dos transportes, recorda, as reclamações nos transportes públicos aumentaram 38,9% em 2017 e o Programa Ferrovia 2020, apresentado há 2 anos, tem apenas cerca de 15% das obras em marcha.
Na educação, lembra Pedro do Ó, em 2018 estima-se que 80% das escolas tenham carência de funcionários. “A falta de vagas, sobretudo em jardins-de-infância e escolas do 1.º ciclo da rede pública, levou, em 2018, a um aumento exponencial de reclamações, não estando garantida a universalidade do acesso para as crianças de 4 e 5 anos. E, quantos de nós aqui presenciámos à ansiedade de alunos e famílias, no final do ano letivo passado, devido à greve dos professores ao lançamento das notas finais?”
Depois de abordar áreas como a segurança interna, a justiça, a
execução dos fundos comunitários e a economia do mar, sentenciou que a “degradação dos serviços públicos é visível e sentida diariamente pelos cidadãos.
É o próprio Estado que perde dignidade. Deixa, aos olhos dos cidadãos, de ser confiável, de ser justo e de ser prestável”.
Tudo isto, refere o parlamentar, tem origem na “obsessão” do Primeiro-Ministro e Ministério das Finanças em travar e adiar soluções, mas também na clara diminuição do investimento público. “Entre 2015 e 2017 o decréscimo total do Investimento Público foi de 11%, assumindo valores na ordem dos 30% em áreas como a saúde, a segurança interna ou os transportes. Onde está a aposta no investimento público, que António Costa defendia e escrevia na sua moção às primárias do PS em 2014”, questionou.
A terminar, Pedro do Ó Ramos frisou que em três anos de funções “o governo socialista, apoiado pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP, pode gabar-se de uma coisa: campeão do desinvestimento público e consequente degradação dos serviços públicos, que desespera e revolta milhões de portugueses. Em três anos de governação socialista, apoiada por bloquista e comunistas, o retrato dos serviços públicos é o retrato do caos. O caos nos transportes públicos, o caos no acesso à saúde, na educação, nas próprias funções de soberania”.

04-10-2018 Partilhar Recomendar
07-12-2018
Governo continua a contratar trabalhadores com vínculos precários
    Clara Marques Mendes acusou o governo de continuar a aumentar a precariedade no Estado.
07-12-2018
“Para a esquerda tudo se resume a tentar ganhar mais uns votos”
    Álvaro Batista criticou a “hipocrisia política” dos partidos que adiam para a véspera das eleições a resolução dos problemas dos precários do Estado.
07-12-2018
Precários do Estado: PS, PCP e BE falharam e faltaram à verdade a estes trabalhadores
    Carla Barros lamentou o “tacticismo” e a “encenação” dos partidos da esquerda em torno do PREVPAP.
07-12-2018
PCP aprovou um Orçamento que não continha as verbas para integrar os precários
    Álvaro Batista afirmou não compreender as “juras de amor” do PCP aos precários quando na semana passada os desprezaram.
04-10-2018
“Só fala constantemente do passado quem tem medo do presente e de assumir as responsabilidades”
    Simão Ribeiro desafiou os partidos da esquerda a assumirem as suas responsabilidades pelos problemas nos serviços públicos.
04-10-2018
“Os trabalhadores com vínculo precário foram enganados por este governo”
    Carla Barros desmascarou a propaganda do governo em relação à integração de trabalhadores com vínculo precário no Estado.
23-03-2018
Deputadas do PSD visitaram os Espaços Registos do Areeiro e da Expo
    Andreia Neto, Sandra Pereira e Sara Madruga da Costa fizeram-se acompanhar da Direção do Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e Notariado.
28-02-2018
"Não abdicamos de representar os portugueses que não se revêm neste governo”
    Santa Casa no Montepio: a nossa posição é muito clara, “somos contra”.
22-02-2018
“O PSD não aceita lições de moral de ninguém em matéria de proteção social dos trabalhadores”
    Carla Barros deixou claro que esta é uma matéria que está no topo das preocupações do PSD.
22-02-2018
PSD rejeita tentativa do PCP de impor a empresas e municípios o Acordo de Empresa da EPAL
    Susana Lamas frisa que os comunistas desrespeitam os sindicados e o princípio da livre negociação coletiva.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas