Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
PCP e BE estão numa “disputa fratricida” pelo título de campeão do proletariado
Pedro Roque recordou a estes partidos que “a economia é demasiado importante para experimentalismos ou voluntarismos”.
Pedro Roque considera que as iniciativas de PCP, BE e PEV sobre a redução do horário das 40 para as 35 horas não é mais que “um posicionamento tático “intra-geringonça” à medida em que a ampulheta eleitoral vai escoando os seus grãos de areia”.
De acordo com o deputado, “o primeiro teatro de operações é dentro da esquerda mais extremada em que, comunistas e bloquistas, se digladiam sobre a primazia da proposta, na disputa fratricida pelo porte do facho da revolução e o título de campeão do proletariado. O segundo, é na minagem do campo eleitoral do PS por forma a recola-lo como “compagnon de route” da tenebrosa direita mesmo que a sua sobrevivência governativa tenha sido gerada em simbiose parlamentar.”
De seguida, o social-democrata centrou-se na iniciativa do PCP que refere que «a redução do horário de trabalho para as 35 horas colocaria a necessidade de mais 440 mil trabalhadores para cumprir as mesmas horas de trabalho». Refere Pedro Roque que isto é afirmado pelo mesmo partido que quer revigorar a contratação coletiva, mas que, numa matéria essencial, quer impor sem ter em conta a necessária conciliação bipartida de interesses. “Ora, o único país da OCDE a implementar medida semelhante foi a França de Lionel Jospin em 2000. Sendo conhecida esta experiência, importa refletir sobre o seu balanço. A passagem para as 35 horas contribuiu para a perda de competitividade da economia ou, numa leitura benévola, coincidiu com o declínio das exportações gaulesas na década de 2000. A taxa de cobertura das importações pelas exportações em França caiu de 105% em 1997 (superavit) para 85 % em 2009 (um deficit) – exatamente o fenómeno que Portugal já corrigiu com o esforço de todos”.
A terminar, Pedro Roque sublinhou que “a economia é demasiado importante para experimentalismos ou voluntarismos mais ou menos bem-intencionados”.

18-05-2018 Partilhar Recomendar
05-06-2018
PSD desafia governo para “largo consenso” em matéria de natalidade
    Fernando Negrão considerou este “o maior problema do país” e lamentou o “vazio completo” de ideias por parte do executivo.
26-04-2018
“A cultura da prevenção é um fator determinante e decisivo para combater a sinistralidade laboral”
    Clara Marques Mendes considera que este é um objetivo que deve nortear todos os decisores.
11-04-2018
Governo e os partidos de esquerda estão em estado de gestão de eleições e de eleitorado
    Clara Marques Mendes apelou ao executivo e aos partidos que o suportam para que coloquem os interesses dos portugueses à frente dos seus interesses eleitorais.
11-04-2018
O PS não tem um propósito para o país e deixou-se levar pela esquerda-radical
    Carlos Barros considera que temos “um governo tóxico para o país”.
11-04-2018
“Bloco não tem a mínima preocupação com a sustentabilidade da Segurança Social nem com os futuros pensionistas”
    Mercês Borges condenou a postura do “tudo para alguns já, para os outros logo se verá”.
11-04-2018
Susana Lamas acusa o BE de “encenação e populismo”
    Na base da acusação estão os “exercícios de equilibrismo” dos bloquistas em torno do regime de reformas antecipadas.
14-03-2018
Legislação Laboral: as leis em vigor são boas
    Adão Silva questionou se ainda vamos ver o PCP na rua a gritar: “a luta continua, governo para a rua”.
14-03-2018
Legislação Laboral: Pedro Roque apela ao sentido de responsabilidade do PS
    O social-democrata alertou para os riscos de uma cedência dos socialistas à agenda da esquerda-radical.
14-03-2018
Susana Lamas: PCP insiste em reverter reformas e em permanecer no passado
    A deputada considera que os comunistas pretendem a retoma de legislação laboral que está obsoleta.
14-03-2018
“Governo não está a saber aproveitar a conjuntura favorável para preparar o futuro”
    Mercês Borges lamentou a apatia de um executivo que, além de não dar resposta às necessidades das empresas, deixa pairar a ameaça de uma revisão das leis laborais.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas