Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Governo não está a saber aproveitar a conjuntura favorável para preparar o futuro”
Mercês Borges lamentou a apatia de um executivo que, além de não dar resposta às necessidades das empresas, deixa pairar a ameaça de uma revisão das leis laborais.
No debate de iniciativas que visam alterar a Legislação Laboral, Mercês Borges começou por recordar que esta é uma matéria que tem reflexos na vida de todos. De acordo com a deputada “a legislação laboral é relevante para os que pensam e planeiam os seus investimentos e enquadra as obrigações e direitos dos que criam emprego e dos trabalhadores que neles exercem o seu labor e saber. Trata-se, portanto, de uma legislação transversal à atividade do país, determinante para investidores nacionais e estrangeiros acreditarem que Portugal vale a pena”.
Foi nesse sentido, adianta a deputada, que o PSD, com humildade democrática, mas com sentido de Estado e de serviço aos Portugueses, assumiu o trabalho de resgatar o país. “Fiéis aos princípios da concertação social, sempre discutimos os necessários ajustamentos à legislação laboral com os parceiros sociais, que no terreno teriam de os aplicar. Foram feitas alterações à Legislação Laboral, mas com um enorme respeito pela concertação social, onde os Parceiros Sociais, numa altura tão difícil para o nosso País, tiveram a capacidade de obter compromissos equilibrados para os trabalhadores e para os empregadores, assegurando, desse modo, o necessário clima de paz e coesão sociais”.
O resultado dessas reformas em parceira com os Parceiros Sociais, revela Mercês Borges, está à vista, com a economia a recuperar e com ela o emprego. “Lamentavelmente, o atual governo, não está a saber aproveitar a conjuntura favorável para preparar o futuro. Mais, além de tolher o desenvolvimento das empresas com falta de profissionais qualificados, antes, deixa pairar a ameaça de uma revisão laboral que mal se percebe, senão pelo facto de o governo tudo sacrificar para se manter no poder e de estar refém de partidos com uma visão passadista que só sabem protestar e reivindicar. É bem ilustrativo que com esta forma de proceder, o PCP não quer discutir e consensualizar soluções, antes quer a rua e revoluções”.
Perante esta postura dos comunistas, Mercês Borges é perentória em enfatizar que “a paz social pode estar em risco quando alguns partidos decidem alterar o quadro normativo do trabalho sem respeito pela concertação social e pelo Tripartismo representado nesse órgão e quando o Governo, não assume, como devia, o papel de árbitro social”.
Depois de destacar a importância da Concertação Social, a parlamentar referiu que “temos de privilegiar a estabilidade das regras que enquadram o trabalho, embora as tenhamos que ir ajustando, para melhor dar resposta aos desafios de hoje e do futuro. O futuro cumpre-se com trabalhadores e empregadores devidamente qualificados e capazes de responder aos constantes desafios que a evolução científica e tecnológica coloca à economia. Temos que adaptar os «curricula» das escolas e os perfis e conteúdos de formação das entidades formadoras, públicas e privadas, às novas realidades e aproveitar as verbas comunitárias. Temos de tornar acessíveis os princípios da indústria 4.0 e preparar os recursos humanos que dispomos para responder a estes desafios. Temos os melhores trabalhadores e os melhores jovens. Mas temos que os preparar para uma nova realidade”.
A terminar, Mercês Borges frisou que “o PSD defende uma discussão sem sobressaltos, sem atropelos, com reflexão, estudo e transmitindo aos agentes económicos que prezamos o diálogo, a concertação, a estabilidade evolutiva e a preparação de um país melhor, mais justo, próspero e capaz de redistribuir a riqueza com equidade”.

14-03-2018 Partilhar Recomendar
06-07-2018
Legislação laboral: finalmente o governo reconhece que muito do que se fez deu resultados e não deve ser demagogicamente revertido
    Clara Marques Mendes saudou ainda a mudança de posição dos socialistas em relação à importância da concertação social.
06-07-2018
Geringonça: “acabaram os tempos festivaleiros das reversões e agora é tempo dos encontrões”
    Adão Silva alertou ainda para a “traição” que o PS se prepara para fazer ao que foi acordado em concertação social.
28-06-2018
A reforma da segurança social é um dos principais e mais urgentes desafios que se colocam à sociedade portuguesa
    Feliciano Barreiras Duarte defendeu a adoção de políticas de longo prazo, assentes numa prévia e séria análise do sistema.
28-06-2018
É imperativo e necessário repensar as fontes de financiamento da Segurança Social
    Adão Silva considera que esta é uma matéria que exige mais do que “medidas de cosmética e de faz de conta”.
28-06-2018
Mercês Borges critica “complexo de esquerda do PCP”
    Na base da crítica da deputada a proposta dos comunistas que cria uma taxa de 10,5% sobre todos lucros que as empresas têm.
05-06-2018
PSD desafia governo para “largo consenso” em matéria de natalidade
    Fernando Negrão considerou este “o maior problema do país” e lamentou o “vazio completo” de ideias por parte do executivo.
18-05-2018
PCP e BE estão numa “disputa fratricida” pelo título de campeão do proletariado
    Pedro Roque recordou a estes partidos que “a economia é demasiado importante para experimentalismos ou voluntarismos”.
09-05-2018
POISE: PSD exige explicações do Ministro do Trabalho sobre os atrasos nos reembolsos aos projetos beneficiários
    Cristóvão Crespo e Mercês Borges querem que esta situação seja “resolvida com rapidez”.
02-05-2018
Temos de estar todos empenhados no debate sobre as implicações da evolução tecnológica no mundo laboral
    Mercês Borges sublinhou a importância dos trabalhadores terem acesso a mais e melhores qualificações.
02-05-2018
PSD defende a atualização salarial da Função Pública em 2019
    Pedro Roque frisou que no presente momento económico e financeiro de Portugal, “é ilegítimo e injusto continuar a congelar os salários da Função Pública”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas