Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Temos hoje a precariedade mais elevada dos últimos 15 anos”
Carla Barros considera que o processo de regularização dos precários na administração pública revela que a esquerda está mais preocupada em proteger o governo que os trabalhadores.
Carla Barros denunciou o caos, a confusão, as aberrações técnicas e jurídicas e a gigante frustração que paira nos trabalhadores precários na administração pública. No debate sobre os atrasos na implementação do Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP), agendado pelos bloquistas, a parlamentar começou por frisar que “PS, BE e PCP perderam há muito a noção do real”. Segundo a parlamentar, em face do que está acontecer com este Programa, seria de esperar que “assistíssemos hoje ao fim desta duplicidade do Bloco de Esquerda, nesta espécie de faz de conta que defende os trabalhadores, mas afinal defende e protege a todo o custo o governo, mesmo contra os próprios trabalhadores. Bloco de Esquerda e Partido Comunista têm de assumir as suas responsabilidades. Se os senhores quiserem mostrar coragem e responsabilidade, devem demitir-se deste jogo, devem demitir-se desta responsabilidade de serem a muleta do governo”.
No entender da social-democrata “a controvérsia, a encenação, a falta de clareza e de transparência em torno deste processo de integração de trabalhadores com vínculos precários no Estado é muito grave”. Muito grave, refere, por deixar em suspenso projetos de vida dos trabalhadores e das suas famílias que até hoje aguardam a prometida integração. “Começaram por incendiar expectativas a 112 mil trabalhadores, reduziram-nas, mas hoje essas expectativas ainda são mantidas em 31.957 trabalhadores que apresentaram requerimento para integração. Alguns trabalhadores ainda se mantêm no posto de trabalho, outros aguardam em casa e outros foram despedidos. É grave a atuação de um governo que diz querer integrar mas depois despede. É muito grave a atuação de um governo que anuncia um plano de combate à precariedade mas afinal aumenta a precariedade. Vejam o Estudo do Observatório das Desigualdades que refere que temos hoje a precariedade mais elevada dos últimos 15 anos. É grave, é muito grave, o país ter um Primeiro-Ministro que em todos os debates quinzenais, sob a ameaça da Deputada Catarina Martins e do Deputado Jerónimo de Sousa, continua a prometer a integração a cada um dos 31.957 trabalhadores que apresentaram requerimento, sem nunca se ter referido aos impactos orçamentais nas contas públicas”.
Recordando que nem mesmo perante a falsa acusação de que o PSD era contra a integração dos trabalhadores precários os sociais-democratas recuaram na sua posição de alertar para impacto orçamental desta operação, Carla Barros declarou que “hoje os trabalhadores têm a prova de que os nossos alertas faziam sentido. O governo fez imperar a falta de clareza, a falta de objetividade e a falta de transparência, em toda a linha do processo”. Prova das falhas do governo, adianta a deputada, foi conhecida ainda esta semana quando diversos profissionais de saúde no norte do país foram despedidos e para essas funções foram contratados novos profissionais. “A estratégia do governo sabem qual foi? Foi reduzir a precariedade despedindo, pois os recém-admitidos, para já, ainda não têm tempo suficiente para serem contabilizados nos números dos precários deste governo”.
Sublinhando que a atual solução de governo não está a trabalhar para os portugueses, Carla Barros deu a garantia de que os portugueses podem contar com o PSD.

07-03-2018 Partilhar Recomendar
09-12-2015
Governo PS congelou o salário mínimo. Governo PSD/CDS aumentou-o.
    Clara Marques Mendes recordou que assim que a troika abandonou o país o Governo de Passos Coelho aumentou o salário mínimo.
03-12-2015
“Governo vai cortar mil milhões de euros nas prestações sociais dos mais pobres”
    Adão Silva frisou que o executivo ainda não conseguiu explicar onde vai fazer os cortes.
27-11-2015
PSD recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada por Mercês Borges.
25-11-2015
Clara Marques Mendes acusa o PS de desrespeitar a concertação social
    Em causa atuação dos socialistas ao congelarem o salário mínimo nacional.
24-06-2015
Processo de requalificação não é um processo de despedimento
    Mercês Borges recordou que não houve um único despedimento.
18-06-2015
A mirabolante proposta socialista de redução da TSU pode representar o golpe fatal para a Segurança Social
    Na opinião de Pedro Roque tal medida irá descapitalizar fortemente o sistema.
18-06-2015
Em 2009 o PS “delapidou” a segurança social para aumentar as prestações sociais em véspera de eleições
    Recorda Joana Barata Lopes que os socialistas reverteram os aumentos após as eleições.
18-06-2015
O PCP é incapaz de despir a camisola partidária e de assumir compromissos
    Arménio Santos lamentou que os comunistas privilegiem a critica fácil.
28-05-2015
Governo e maioria continuam empenhados no combate ao flagelo do desemprego
    Mercês Borges lamentou que a oposição não se congratule com a diminuição do desemprego.
28-05-2015
“Nos últimos oito trimestres a população empregada teve um aumento de mais de 122 mil pessoas”
    Pedro Roque recordou ainda que por cada emprego criado com contrato a termo, foram criados 2,8 empregos com contrato sem termo.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas