Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Este foi um ano bem penoso para os portugueses e a responsabilidade é sua que é Primeiro-Ministro”
Hugo Soares contrariou António Costa e desafiou-o a pronunciar-se sobre a coerência do governo em assuntos como a associação Raríssimas, os CTT, o Salário Mínimo Nacional e o Montepio.
No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, num balanço sobre o ano que agora termina, Hugo Soares disse a António Costa que depois de tudo o que passámos “ficou muito claro que este foi um ano bem penoso para os portugueses e a responsabilidade é sua que é Primeiro-Ministro”. Contrariando a opinião do governante, que disse que «este foi um ano saboroso», o social-democrata levou ainda a debate assuntos como a associação Raríssimas, os CTT, Salário Mínimo Nacional ou o Montepio.
No que respeita aos CTT, o líder parlamentar do PSD começou por desafiar o Primeiro-Ministro a dizer, “de uma vez por todas e sem ambiguidades, qual é a posição do governo” em relação aos CTT. “Queria-lhe perguntar se se revê nas palavras da deputada Catarina Martins que diz que os acionistas privados «pilham a empresa e assaltam as suas reservas»? Queria lembrar que a privatização dos CTT estava inscrita no memorando de entendimento que o governo socialista assinou com os credores e quero perguntar se é vontade ou intenção do governo nacionalizar os CTT”, questionou o deputado.
De seguida, o social-democrata abordou várias matérias da alçada/responsabilidade do Ministro Vieira da Silva. No que respeita ao salário mínimo nacional, Hugo Soares lamentou que a concertação social não tenha chegado a um acordo quanto ao aumento do salário mínimo nacional. Dirigindo-se a António Costa, o parlamentar questionou se é verdade ou não que o Primeiro-Ministro, ou alguém do governo, terá dado garantias de que não mexeria na legislação laboral e perguntou qual é o compromisso que o Governo pode assumir sobre aquilo que é a legislação laboral. “Vai ou não reverter a legislação laboral”, indagou.
Tendo ficando sem resposta por parte do socialista, Hugo Soares enfatizou que com esta postura fica claro que “quanto mais se aproxima o final da legislatura e mais fraco está o governo, mais o senhor está na mão PCP e do BE. Agora os acordos que faz na concertação social só duram um ano, porque depende da vontade do PCP e do BE”.
Sobre o caso que envolve a Associação Raríssimas, Hugo Soares começou por acusar Vieira da Silva de ter “ignorado olimpicamente” uma denúncia que chegou aos serviços do Ministério do Trabalho e da Segurança Social em janeiro e lembrou que o Ministro caucionou um protocolo assinado pela Raríssimas, em que se assumia como Fundação e não o era. Contudo, o deputado foi ainda mais longe e lembrou que apesar do código de conduta aprovado pelo governo, Vieira da Silva pertenceu aos órgãos sociais da Raríssimas e tomou medidas sobre a associação já como ministro. “O Ministro violou o código de conduta que o seu Governo aprovou”, questionou o deputado ao Primeiro-Ministro. Perante mais uma pergunta que ficou sem resposta por parte do governante, Hugo Soares declarou que o governo tem “vergonha da resposta”. “Sim, o senhor ministro tomou decisões” e “nos termos do código de conduta” que o Governo fez, o ministro “violou” esse mesmo código, atacou o líder da “bancada laranja”.
A terminar, o social-democrata abordou a participação da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no Montepio. Hugo Soares destacou que a versão apresentada por António Costa não coincide com a da instituição, pelo que pediu verdade política e defendeu a importância de que este assunto “possa ficar esclarecido”.

20-12-2017 Partilhar Recomendar
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
30-10-2018
Há um ano que existe queda da atividade económica
    No entender de Paulo Rios de Oliveira, são necessárias reformas que melhorem a competitividade das empresas e a estabilidade fiscal.
17-10-2018
Passividade e inoperância do governo não pode continuar a condenar o interior ao abandono
    Um ano após a tragédia dos incêndios de outubro, Fátima Ramos frisou que urge a construção de um país diferente, mais competitivo e menos assimétrico.
17-10-2018
Furacão Leslie: PSD defende a atribuição de apoios às populações afetadas
    Maurício Marques frisou que o Orçamento deve conter medidas para apoiar as zonas atingidas.
12-10-2018
“Só com rendimentos dignos é que conseguimos combater as desigualdades sociais, a pobreza e a exclusão social”
    Clara Marques Mendes frisou que o PSD é a favor da atualização do salário mínimo nacional.
12-10-2018
BE e PCP estão reféns de António Costa
    Feliciano Barreiras Duarte considera que esta é a consequência de se venderem as convicções em troca de umas migalhas de poder.
12-10-2018
Joana Barata Lopes desafia o PCP a ser coerente e a votar contra o Orçamento
    Caso tal não aconteça, a deputada conclui que a iniciativa do PCP para aumentar o salário mínimo não passou de uma encenação para os jornais.
12-10-2018
PSD questiona o governo sobre os atrasos no pagamento do POISE
    Os sociais-democratas fizeram eco das queixas das entidades formadoras, formadores e formandos referentes a atrasos que ocorrem desde 2016.
10-10-2018
Tancos: “senhor Primeiro-Ministro, não acha que já fomos longe demais?”
    Fernando Negrão considera que este caso exigia intervenção imediata da hierarquia militar e da tutela política.
28-09-2018
Atividade seguradora e resseguradora: “vender gato por lebre passará a ser mais difícil”
    Carlos Silva declarou o apoio do PSD à implementação da diretiva europeia, mas lamentou a demora do executivo na transposição.
28-09-2018
PSD contesta a forma como o governo tratou o processo de alteração ao Código da Propriedade Industrial
    Paulo Rios de Oliveira referiu que esta alteração tem um enorme impacto económico e social e que, por isso, não pode ser feita “às três pancadas”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas