Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Inês Domingos coloca em evidência a “incapacidade reformista do PS”
No debate sobre o setor financeiro, a deputada afirmou que as “ideias soltas” do PS parecem “refletir uma falta de visão estruturada para o futuro do país”.
O Parlamento debateu, esta terça-feira, um conjunto de iniciativas com medidas sobre as Instituições de Crédito e Instrumentos Financeiros. Inês Domingos, intervindo em nome dos sociais-democratas, começou por frisar que a posição do PSD sobre o setor financeiro é, e sempre foi, uma posição de responsabilidade que privilegia: “a estabilidade financeira para assegurar o financiamento da economia que se faça sem sobressaltos e que os depósitos dos clientes estão protegidos; a proteção dos clientes de práticas comerciais desleais e desadequadas; A segurança e a independência da supervisão financeira para assegurar a saudável independência entre supervisores, supervisionados e o Estado”. De acordo com a deputada, estes são os princípios do PSD que, contrariamente à prática de outros partidos, não mudam se outros não gostarem deles. “Nós não somos como o PS que vota contra tudo o que é do PSD, só porque é do PSD. Esse é caminho sectário do PS, que juntamente com a sua falta de visão reformista tornam impossível uma melhoria sustentada na riqueza do país e das famílias”.
Tendo em conta esta postura, Inês Domingos afirmou que o PSD olha para estas propostas pelo que elas valem, e não para o logotipo que está no documento. “Globalmente a nossa posição no que diz respeito à estabilidade do setor financeiro, e à proteção dos investidores é sempre a de dialogar para obter os melhores resultados”.
Contudo, a social-democrata afirmou que a perplexidade do PSD neste debate, mais do que o conteúdo, existe devido à forma como o PS escolheu vir a jogo. “O que é surpreendente nestas propostas é que são na sua grande parte um conjunto de ideias desgarradas, vagamente inspiradas na diretiva do mercado e intermediários financeiros que entra em vigor em janeiro de 2018, sem que se compreenda porque foram escolhidos certos aspetos da diretiva em vez de outros. O debate sobre a legislação para o setor financeiro, nomeadamente no que diz respeito à proteção dos clientes e depositantes, é demasiado importante para ser feita desta maneira ad-hoc, sem estrutura, como se tratasse de ramos e galhos de uma árvore que não tem tronco”.
Face a esta postura dos socialistas, Inês Domingos assinalou a “incapacidade reformista do PS” e enfatizou que o debate sobre a supervisão financeira tem de ser feito de forma séria e consistente. “O que devíamos estar a debater é porque é o governo continua atrasado na transposição, qual o modelo de supervisão financeira que o governo quer efetivamente implementar, qual foi o impacto das mudanças regulatórias nos últimos anos e como podemos, no futuro, assegurar uma conjugação ótima entre estabilidade, proteção e eficiência? Em vez disto estamos a debater no parlamento ideias soltas. Não me parece uma forma muito séria de tratar os importantes desafios sobre o setor financeiros que ainda nos esperam”. Contudo, concluí Inês Domingos, infelizmente esta atitude “parece refletir a falta de visão estruturada para o futuro do país deste Governo, desta maioria e deste PS”.

29-11-2017 Partilhar Recomendar
12-01-2017
“Nacionalização do Novo Banco é um erro absoluto”
    Marco António Costa considera que “seria um paradoxo o governo querer mais um banco público quando trata de forma tão desastrada o que já é seu”.
06-01-2017
CGD: PSD quer Plano de Recapitalização na Comissão de Inquérito
    Os sociais-democratas querem incluir a avaliação da reestruturação e a recapitalização do banco público no objeto da Comissão.
22-12-2016
Este é o Governo com menos investimento público desde 1951
    Luís Montenegro criticou a atuação de António Costa e acusou o governante de falta de transparência em relação à solução encontrada para os lesados do BES.
07-12-2016
Passos Coelho desafia o Primeiro-Ministro a explicar aos portugueses o que se passa com a Caixa Geral de Depósitos
    O líder do PSD considera que “enquanto isso não acontecer não há confiança”.
07-12-2016
Estatuto do Gestor Público: “ou cruzamos os braços ou emendamos esta trapalhada”
    Luís Marques Guedes apresentou a iniciativa do PSD e frisou que se a esquerda permanecer “com a cabeça enterrada na areia” o PSD “vai suscitar a apreciação da constitucionalidade do decreto do Governo”.
24-11-2016
“É tempo de pôr um ponto final na indignidade e falta de bom senso na Caixa Geral de Depósitos”
    António Leitão Amaro afirmou que o PSD apresentou propostas para acabar com esta “indignidade”.
14-10-2016
“O país não pode levar a sério um Primeiro-Ministro que falseia a realidade”
    Passos Coelho lamentou a postura de António Costa, questionou o governante sobre o abrandamento da economia e alertou para o aumento das nossas taxas de juro.
21-09-2016
“Temos de defender os portugueses deste Governo que os esmaga com impostos”
    Segundo António Leitão Amaro este é um Governo que aumenta os impostos dos portugueses, mas que acaba com os limites aos salários dos administradores da CGD.
08-09-2016
Hugo Soares: “o Ministro das Finanças mentiu na Comissão de Inquérito”
    Na base da acusação do social-democrata está a declaração de Mário Centeno sobre as necessidades de capitalização da Caixa Geral de Depósitos.
Início Anterior
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas