Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Inês Domingos coloca em evidência a “incapacidade reformista do PS”
No debate sobre o setor financeiro, a deputada afirmou que as “ideias soltas” do PS parecem “refletir uma falta de visão estruturada para o futuro do país”.
O Parlamento debateu, esta terça-feira, um conjunto de iniciativas com medidas sobre as Instituições de Crédito e Instrumentos Financeiros. Inês Domingos, intervindo em nome dos sociais-democratas, começou por frisar que a posição do PSD sobre o setor financeiro é, e sempre foi, uma posição de responsabilidade que privilegia: “a estabilidade financeira para assegurar o financiamento da economia que se faça sem sobressaltos e que os depósitos dos clientes estão protegidos; a proteção dos clientes de práticas comerciais desleais e desadequadas; A segurança e a independência da supervisão financeira para assegurar a saudável independência entre supervisores, supervisionados e o Estado”. De acordo com a deputada, estes são os princípios do PSD que, contrariamente à prática de outros partidos, não mudam se outros não gostarem deles. “Nós não somos como o PS que vota contra tudo o que é do PSD, só porque é do PSD. Esse é caminho sectário do PS, que juntamente com a sua falta de visão reformista tornam impossível uma melhoria sustentada na riqueza do país e das famílias”.
Tendo em conta esta postura, Inês Domingos afirmou que o PSD olha para estas propostas pelo que elas valem, e não para o logotipo que está no documento. “Globalmente a nossa posição no que diz respeito à estabilidade do setor financeiro, e à proteção dos investidores é sempre a de dialogar para obter os melhores resultados”.
Contudo, a social-democrata afirmou que a perplexidade do PSD neste debate, mais do que o conteúdo, existe devido à forma como o PS escolheu vir a jogo. “O que é surpreendente nestas propostas é que são na sua grande parte um conjunto de ideias desgarradas, vagamente inspiradas na diretiva do mercado e intermediários financeiros que entra em vigor em janeiro de 2018, sem que se compreenda porque foram escolhidos certos aspetos da diretiva em vez de outros. O debate sobre a legislação para o setor financeiro, nomeadamente no que diz respeito à proteção dos clientes e depositantes, é demasiado importante para ser feita desta maneira ad-hoc, sem estrutura, como se tratasse de ramos e galhos de uma árvore que não tem tronco”.
Face a esta postura dos socialistas, Inês Domingos assinalou a “incapacidade reformista do PS” e enfatizou que o debate sobre a supervisão financeira tem de ser feito de forma séria e consistente. “O que devíamos estar a debater é porque é o governo continua atrasado na transposição, qual o modelo de supervisão financeira que o governo quer efetivamente implementar, qual foi o impacto das mudanças regulatórias nos últimos anos e como podemos, no futuro, assegurar uma conjugação ótima entre estabilidade, proteção e eficiência? Em vez disto estamos a debater no parlamento ideias soltas. Não me parece uma forma muito séria de tratar os importantes desafios sobre o setor financeiros que ainda nos esperam”. Contudo, concluí Inês Domingos, infelizmente esta atitude “parece refletir a falta de visão estruturada para o futuro do país deste Governo, desta maioria e deste PS”.

29-11-2017 Partilhar Recomendar
07-03-2019
Novo Banco: “queremos conhecer tudo em nome do interesse dos portugueses”
    Adão Silva exigiu explicações a António Costa sobre a “trapalhada” que se revelou a solução encontrada para o Novo Banco.
15-02-2019
Comissão de Inquérito à Caixa: “tudo deve ser apurado, doa a quem doer”
    Duarte Pacheco declarou que o ocorrido na Caixa “é uma verdadeira vergonha”.
06-02-2019
“Aguardar 1000 dias por uma consulta é fortalecer o SNS?”
    No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, Fernando Negrão lamentou que António Costa não “sinta vergonha de ter feito parte do governo que deixou o país em bancarrota”.
30-01-2019
Caixa: “BE, PCP e PS tudo fizeram para que os portugueses não soubessem a verdade”
    Duarte Pacheco frisa que “é tempo de os portugueses saberem a verdade”.
24-01-2019
Entre 2005 e 2010 a Caixa foi “fustigada por uma gestão ruinosa e interferência política”
    António Leitão Amaro acusou governo, PS, BE e PCP de terem tentado “encobrir estas práticas”.
11-01-2019
António Leitão Amaro questiona oposição do PS à divulgação dos grandes devedores da banca
    O deputado perguntou aos socialistas “o que é que querem esconder?”
17-05-2018
Revelação dos maiores devedores contribui para a transparência e responsabilidade política
    António Leitão Amaro considera incompreensível que o PS queira quebrar a privacidade do depositante que acumulou rendimentos de trabalho de 50 mil euros, mas queira proteger o decisor e o grande devedor de centenas de milhões.
17-05-2018
PSD quer levantar o véu sobre os favores prestados pela Caixa a projetos que não tinham nenhuma viabilidade
    Inês Domingos afirmou que o governo usa “portugueses depositantes e clientes cumpridores como escudo para encobrir os grandes incumpridores”.
17-05-2018
Caixa Geral de Depósitos: “os portugueses têm o direito de saber qual a teia socialista que provocou o descalabro”
    Duarte Pacheco acusou ainda o Bloco de fazer “fretes” ao PS.
03-05-2018
PSD quer conhecer os devedores da CGD e questiona "de que tem medo" o governo
    Na apresentação do requerimento, António Leitão Amaro recordou eu “os portugueses tiveram no último ano que fazer um esforço de 4 mil milhões de euros para a recapitalização da Caixa”.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas