Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Este é um governo que navega à vista, não pensa, não reflete, não estuda e não pondera”
Sara Madruga da Costa acusa o governo de fazer as coisas “em cima do joelho”, sem qualquer fundamentação e sem qualquer ponderação.
“Este é um governo que navega à vista, não pensa, não reflete, não estuda, não pondera, decide e logo se vê. Foi assim com o descongelamento das carreiras dos professores, foi assim com a transferência do Infarmed para o Porto e foi assim com a cambalhota energética da aprovação e do chumbo da taxa proposta pelo BE para as energias renováveis. A iniciativa que agora discutimos é mais um exemplo da forma imponderada como este governo decide”. Foi desta forma que Sara Madruga da Costa iniciou a sua intervenção, esta terça-feira, no debate da Proposta de Lei que visa autorizar o Governo a descriminalizar e a prever como ilícito contraordenacional a execução pública não autorizada de fonogramas e videogramas editados comercialmente.
De acordo com a deputada, mais uma vez, os portugueses são confrontados com um processo legislativo atabalhoado, “feito em cima do joelho”, sem qualquer fundamentação e sem qualquer ponderação. “O governo pretende uma autorização legislativa para descriminalizar a exibição pública de filmes e áudios sem pagamento de direitos de autor e passá-la a contraordenação. Mas fá-lo sem cumprir com as regras regimentais e sem habilitar o parlamento dos elementos mínimos para uma apreciação séria da autorização legislativa pretendida”.
“Neste momento, não sabemos qual a posição das entidades que o governo diz que ouviu porque não juntou os pareceres, não sabemos se a alteração é ou não pacífica no sector, nem sabemos qual a justificação ou qual o fundamento para descriminalizar uma conduta que é crime desde 1985. O Parlamento não pode passar cheques em branco em matérias da sua competência, sem estar munido dos elementos mínimos para uma apreciação séria. Julgamos que o bem jurídico em causa continua protegido pela Declaração Universal dos Direitos do Homem e consagrado constitucionalmente na nossa Lei Fundamental como direito de liberdade e garantia, por isso não percebemos qual a razão que leva o governo a retirar a tutela penal daquela que é principal forma de utilização de obras protegidas. Ademais seria importante saber quais as consequências desta medida nas receitas dos autores”.
De acordo com a social-democrata, esta postura do executivo comprova que “nada disto é importante para o governo, o que revela bem a insensibilidade desta frente de esquerda às questões da cultura e ao financiamento dos autores e dos artistas”.
“A esquerda que anda com a cultura sempre no céu-da-boca, é aquela que ontem mesmo aprovou um Orçamento para a cultura que se limita a um envergonhado 0,2 % do total do orçamento do estado. A esquerda, a esquerda que anda com a cultura sempre no céu-da-boca, é aquela que dois anos depois ainda não foi capaz de obter uma posição conjunta com o PS”, rematou Sara Madruga da Costa.

28-11-2017 Partilhar Recomendar
26-02-2019
Carnaval da Terceira esquecido pelo Governo
    António Ventura refere que parece existir uma estratégia do executivo para o arrastamento do processo.
07-02-2019
PSD confronta governo e Conselho de Administração da RTP com a discriminação dos trabalhadores da RTP-M
    Os deputados eleitos pela Madeira querem saber quais as razões por detrás de mais esta discriminação.
24-01-2019
Proposta do BE para criar a Rede de Teatros e Cineteatros é uma “metáfora do fracasso da política cultural nesta legislatura”
    José Carlos Barros lembrou que o Ministério da Cultura, apesar dos anúncios, não deu um único passo nesse sentido.
09-01-2019
PSD declara apoio à iniciativa que visa legalizar a utilização de obras protegidas por direto de autor em benefício de pessoas cegas
    A posição dos sociais-democratas foi expressa pela deputada Sandra Pereira.
20-12-2018
Lei do Cinema: Ana Sofia Bettencourt destaca importância da “transparência”
    A deputada garantiu que o PSD estará disponível para colaborar na procura das melhores soluções no sentido de garantir: participação, envolvimento e transparência.
19-12-2018
Aprovação do regime especial para os bailarinos só foi possível graças à “não cegueira ideológica do PSD”
    Joana Barata Lopes elogiou o trabalho dos partidos e lamentou que a postura do PSD não seja replicada pela esquerda em outras matérias.
14-12-2018
PSD está preocupado com a conservação da fortificação e sistema muralhado de Castelo de Vide
    Os sociais-democratas questionaram os Ministros das Finanças e da Cultura sobre esta situação.
27-11-2018
“As propostas do PSD para o IVA da cultura eliminam o caracter discricionário e discriminatório do Orçamento”
    José Carlos Barros contestou a diferenciação introduzida pelo governo entre tipos e locais de espetáculos.
30-10-2018
Cultura: média de um Ministro por ano é “a evidência do fracasso da política cultural do governo”
    José Carlos Barros referiu que a “inação” é a marca da governação das esquerdas.
06-07-2018
Touradas: quadro legislativo é adequado e atual
    Joel Sá declarou que os sociais-democratas consideram que “não é oportuno fazer alterações” à atual Lei.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas