Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“O acesso dos doentes aos cuidados de saúde continuará a degradar-se”
Miguel Santos alerta que com o aumento da dívida aos fornecedores os hospitais do SNS enfrentam um sério risco de rutura financeira.
“A população portuguesa usufrui dos melhores indicadores de saúde do mundo. A mortalidade infantil é residual, a esperança média de vida elevada, embora com insuficientes anos de vida saudável após os 65 anos de idade, e reconhece uma tendência de diminuição dos óbitos na generalidade das doenças. A evolução globalmente positiva dos principais indicadores de saúde muito deve à forte aposta que, ao longo de quase 40 anos, os sucessivos governos fizeram na construção e desenvolvimento de um Serviço Nacional de Saúde de excelência, moderno e acessível a todos os Portugueses. Para estes ganhos em saúde, tem de ser valorizado o decisivo contributo das muitas dezenas de milhares de profissionais, cuja competência e dedicação tornou possível que gerações de portugueses pudessem obter cuidados de saúde de qualidade e proximidade. Agora, é preocupante de conflitualidade indisfarçável entre vários profissionais de saúde e o governo. A receita de tudo prometer em campanha eleitoral e depois gastar 2 anos a enganar os trabalhadores, os sindicatos e as ordens profissionais não podia dar bom resultado”. Foi com estas palavras que Miguel Santos iniciou, esta sexta-feira, a sua intervenção no debate do Orçamento do Estado para 2018.
De seguida, o Vice-Presidente da bancada do PSD focou-se nos desafios do sector que, para o social-democrata, passam por uma maior aposta na prevenção dos riscos em saúde, incutindo nos cidadãos a adoção de hábitos alimentares e estilos de vida mais saudáveis. “Importa que o Estado passe do atual paradigma de uma medicina curativa, para uma maior aposta nas políticas de promoção da saúde e de prevenção das doenças. Um outro desafio que se coloca ao Serviço Nacional de Saúde, na perspetiva do PSD, é o de combatermos as desigualdades dos portugueses no acesso aos cuidados de saúde. Persistem entre nós desigualdades económicas, geográficas, até culturais, que importa combater, assegurando a todos os cidadãos um efetivo acesso à saúde, independentemente das suas condições sociais, da sua idade ou do local onde vivam. Para isso precisamos de serviços de saúde mais integrados e articulados, em que os interesses das pessoas sejam efetivamente o centro do sistema e nele disponham de uma verdadeira liberdade de escolha”.
No que respeita ao Orçamento, o social-democrata frisou que “prossegue uma política de continuidade relativamente aos últimos dois anos. Na prática, descontada a propaganda oficial, o acesso dos doentes aos cuidados de saúde continuará a degradar-se”. Segundo o parlamentar o Orçamento prevê um corte nas transferências para o SNS, ao mesmo tempo que se aumenta a dívida aos fornecedores, algo que faz com que os hospitais do SNS enfrentem um sério risco de rutura financeira, colocando em estado de alerta a prestação de saúde aos utentes.
A terminar, Miguel Santos enfatizou que o PSD não é cúmplice desta política situacionista e errada. “Na oposição hoje, como no governo no futuro, trabalharemos sempre por um SNS sustentável, um SNS ao serviço da resolução dos problemas das pessoas”.

03-11-2017 Partilhar Recomendar
03-11-2017
Este é um “Orçamento de fação” cujas prioridades apontam para a satisfação dos interesses eleitorais da esquerda
    Luís Marques Guedes criticou a Proposta do Governo e lembrou que os anteriores orçamentos foram “mentirosos” e contaram com a “cumplicidade sonsa” da esquerda.
03-11-2017
“PS castiga consecutivamente as novas gerações com mais dívida e mais impostos”
    Simão Ribeiro enfatizou que o Orçamento não resolve os problemas dos jovens portugueses.
03-11-2017
Há finalmente um reconhecimento de que as políticas do governo PSD/CDS tiveram efeitos positivos
    Clara Marques Mendes manifestou a sua satisfação por ver o governo reconhecer que durante a anterior governação o emprego aumentou e o desemprego diminuiu.
03-11-2017
Pensões mais baixas têm um aumento inferior ao das pensões mais elevadas
    Adão Silva considera que o governo se prepara para cometer “uma profunda injustiça”.
03-11-2017
“Este é um Orçamento ideológico a pensar na manutenção do poder e não nos portugueses”
    Luís Leite Ramos considera que este Orçamento prossegue um caminho errado e eleitoralista.
03-11-2017
PCP afirma lutar contra a austeridade, mas depois vota um Orçamento que a agrava
    Sérgio Azevedo colocou em evidência a dicotomia entre o discurso do PCP no país e os seus votos no Parlamento.
03-11-2017
“Bloco é cúmplice no pecado original deste Orçamento”
    Rubina Berardo acusou os bloquistas de caucionarem uma proposta que ataca trabalhares independentes e aumenta impostos indiretos.
03-11-2017
Governo não orçamenta verba para a construção do novo Hospital da Madeira
    Sara Madruga da Costa desafiou o governo a cumprir a promessa feita aos madeirenses.
03-11-2017
António Ventura exige ao governo verbas para a descontaminação dos solos e aquíferos na Ilha Terceira
    O deputado lembrou que esta é uma situação que está a afetar a saúde humana e o ambiente.
03-11-2017
Este Orçamento persiste com a desconfiança em relação à iniciativa privada
    Segundo Inês Domingos o executivo governa de costas voltadas para os empreendedores, para as empresas e para a área social.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas