Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Cativações do governo levaram o Estado a falhar nas suas funções essenciais
António Leitão Amaro afirmou que, contrariamente ao que era dito pela propaganda da esquerda, em 2016 o governo cativou mil milhões de euros.
“Durante mais de ano e meio cantaram-nos um milagre cativante. A conversa da pagina virada, da alternativa sem sacrifícios, das devoluções sem custos. Mesmo quando os portugueses pagavam por essa mentira na bomba de gasolina e andavam entre a espera e o desespero nos serviços públicos, a propaganda das esquerdas insistia que não havia cortes, nem cativações, nem custos. Mas, como a verdade e o azeite, os cortes e os custos das cativações vêm sempre ao de cima. Os portugueses sentiram-nas nas suas vidas e pagaram nas suas vidas e, infelizmente, até com as suas vidas”. Estas foram as palavras iniciais de António Leitão Amaro no debate de atualidade, marcado pelo PSD, sobre a “falta de Transparência nos cortes de despesa nos serviços públicos”.
De seguida, o Vice-Presidente da bancada do PSD frisou que os portugueses perceberam “que a propaganda é uma peneira que não tapa o sol para sempre”. Recorda o deputado que a entidade que faz a contabilidade do Estado, publicou preto-no-branco que em 2016 foram 1.000 Milhões de cativações, enquanto uma romaria de Ministros vinha ao Parlamento negar cativações.
Perante “cativações escondidas com um enorme rabo de fora”, o parlamentar enfatizou que o PSD não se calará perante esta falta de transparência nos cortes e cativações no investimento público feitos por este Governo com o apoio do PS, BE e PCP. “Não nos podemos calar porque estes cortes afetam a vida das pessoas. Na educação: com escolas fechadas por falta de funcionários ou de obras básicas de manutenção; escolas sem dinheiro para pagar água e luz; Bolseiros de ação social sem receber e escolas profissionais se receber; fugas e fraudes em exames nacionais que o governo fecha os olhos, enquanto incentiva as passagens com cinco e mais negativas. Na saúde: com centenas de cirurgias canceladas, por falta de anestesias ou produtos; doentes tirados temporariamente da lista de espera, para depois voltarem para o fim; ruturas de stocks de medicamentos e materiais de tratamento; falta de equipamentos para quimioterapias; ultrapassagem dos tempos máximos de espera; os profissionais da saúde pela primeira vez juntos a dizer que há uma situação de emergência no sector. Nos Transportes: com as intermináveis filas para os bilhetes que não havia por faltar dinheiro para o papel; as carruagens cortadas ou espaçadas; as mais básicas obras de manutenção de segurança nas infraestruturas rodoviárias que ficam por fazer, apesar de orçamentadas”.
Contudo, lamenta Leitão Amaro nas últimas semanas assistimos ao Estado a falhar na primeira e mais essencial função que as pessoas esperam: a sua segurança e proteção. “O colapso do sistema de proteção civil resultou na maior tragédia humana nos incêndios de Pedrógão Grande. Um colapso no sistema de defesa, resultou no maior e gravíssimo roubo de armas perigosas dos paióis do exército”.
Dirigindo-se à maioria de esquerda, o parlamentar afirmou que estes partidos escusam de continuar a “provar a nova lei da física de que, aconteça o que acontecer, a culpa é sempre do governo anterior”. “Os senhores governam há quase dois anos, foi convosco que as cativações permanentes foram os mais altos de que há memória, foi convosco que o investimento público teve a maior redução em democracia. Mas não são apenas os cortes, é também a vossa má gestão nas funções como a segurança e defesa, o descontrolo e degradação da autoridade, descoordenação, comando da Proteção Civil mudados a meses do início da época de combate para satisfazer alguns amigos, ministros desorientados e o Primeiro-Ministro desaparecido”.
A terminar, Leitão Amaro foi perentório dizer que “há cortes, o Estado falha e as pessoas sofrem. Está na Conta Gera do Estado mil milhões de cativações: 225 milhões nas funções sociais, dos quais 44 na educação e 84Milhões na saúde, 300 milhões nos transportes e comunicações, 82 milhões na defesa, 50 milhões na segurança pública. O senhor Ministro pode abanar a cabeça, mas os números fala contra a sua propaganda. E não venham dizer que fizeram cativações aumentaram a despesa pública naqueles serviços. Em 2016 a despesa em defesa foi cortada em 20 milhões e a segurança em 15. Portanto há cortes em todas aquelas áreas”.

07-07-2017 Partilhar Recomendar
10-05-2017
Luís Montenegro desafia o governo a fazer uma reforma da Segurança Social e “não remendos”
    O social-democrata exigiu a António Costa a máxima seriedade e respeito pelos atuais e futuros pensionistas.
26-04-2017
Passos Coelho acusa o PS de lidar mal com entidades independentes
    O líder do PSD recordou a velha máxima socialista de que “quem se mete com o PS leva”.
21-04-2017
Governo das esquerdas já envolveu na banca mais de 10 mil milhões de euros dos contribuintes
    António Leitão Amaro afirmou que este Tempo Novo das Esquerdas traz negócios ruinosos para os contribuintes, mas generoso para os bancos.
21-04-2017
Imposto sobre os Combustíveis: PCP e BE são cúmplices de um aumento de 250 milhões de euros
    Segundo Duarte Pacheco este aumento sobre as famílias portuguesas é da responsabilidade do governo e dos partidos que o suportam.
21-04-2017
“Portugal é atualmente um dos países que tem a gasolina mais cara do mundo”
    Margarida Balseiro Lopes desafiou o governo a voltar atrás no brutal aumento do Imposto sobre os Combustíveis.
19-04-2017
O governo reconheceu o fracasso da sua estratégia
    Miguel Morgado considera que estamos perante um governo sem coerência estratégica e sem capacidade reformista.
19-04-2017
Sem reformas, o governo limita-se a falar e a esperar que as coisas aconteçam
    Segundo Duarte Pacheco os resultados comprovam que 2016 foi um ano perdido.
19-04-2017
“O governo tinha a obrigação de retirar Portugal do lixo e de pôr a economia a crescer muito mais”
    Maria Luís Albuquerque frisou que para este governo e para os partidos que o apoiam só a banca merece cuidados e preocupações.
07-04-2017
Parece que a esquerda pretende proteger Ricardo Salgado e transformar o Governador do Banco de Portugal no ladrão
    Carlos Silva afirmou que o PSD não aceita “que se confundam polícias com ladrões” e que o PS tente apagar as suas responsabilidades no sistema financeiro.
07-04-2017
“A independência do Banco central face aos supervisionados e face ao poder político é fundamental”
    Inês Domingos classificou como “intolerável” o ataque que está a ser feito pelo governo das esquerdas ao Banco de Portugal.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas