Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
OPINIÃO / Portugal 1 – República Checa 3
No último Campeonato Europeu de Futebol, a selecção de Portugal deu-nos a alegria de derrotar por 3-1 a República Checa. Uma análise rápida da evolução dos indicadores económicos registados ao longo da última década, no que diz respeito ao campeonato da competitividade, mostra-nos porém um resultado infelizmente inverso, a nosso desfavor.

No que diz respeito à convergência face à União Europeia (UE27), aferida pela percentagem de capitação do PIB, relativamente à média dos 27 países (ver figura), facilmente se constata que a República Checa nos ultrapassou com determinação a partir de 2004, para de nós descolar no espaço de tempo que curiosamente mediou entre dois Campeonatos Europeus de Futebol. O mesmo se passa com todas as nações ocidentais e a Eslovénia. Tal está prestes a acontecer também com a Eslováquia. Corremos portanto o sério risco de estar em vigésimo lugar da UE aquando da realização da próxima edição do Campeonato da Europa, em 2012. Atrás de nós, começam a ficar somente, a nordeste, as nações do Báltico (Lituânia, Letónia, Estónia), a Polónia, e depois, mais a sudeste, Hungria, Roménia e Bulgária. República Checa 1 – Portugal 0!

Se olharmos agora para os saldos verificados entre Exportações e Importações, historicamente Portugal apresenta valores negativos. Todos os meses importamos mais cerca de 1500 milhões de Euros do que aquilo que somos capazes de exportar. Esta situação tem-se mantido, sem qualquer melhoria significativa, ao longo dos últimos anos. Em percentagem do PIB, o saldo negativo da nossa balança comercial só consegue encontrar pior, dentro da União Europeia, na Roménia, Itália, Espanha e Luxemburgo. Pelo contrário, a República Checa parte de um saldo da balança comercial, também negativo, há dez anos atrás, mas convertido em valores positivos a partir do ano de 2005. Ela representa hoje, em percentagem do PIB, o oitavo país da União Europeia com maior diferença entre os volumes de Exportações e de Importações. República Checa 2 – Portugal 0!

Mudemos novamente de flanco, olhando agora para os valores de desemprego. Mais do mesmo. Em termos relativos, a República Checa parte de uma situação de maior taxa de desemprego, face a Portugal, mas desde 2006 que os seus valores são inferiores aos nossos, terminando 2009 com 8,0% de taxa de desemprego, face aos 10,4% de Portugal. República Checa 3 – Portugal 0!

Para que nem tudo seja necessariamente negativo, em termos de confronto, resta-nos encontrar como golo de consolação o facto de Portugal ter fechado o ano de 2009 com um decréscimo do PIB estimado pelo EUROSTAT em -2,9%, que compara favoravelmente com os -4,9% da República Checa. Sol de pouca dura, uma vez que as previsões do EUROSTAT apontam para um crescimento dos checos em 2010 novamente superior ao nosso, mas ainda assim digno de conclusão a nosso favor: República Checa 3 – Portugal 1!

Terminada a partida, com resultado manifestamente desfavorável, convirá tirar as devidas ilações. Depois de termos olhado como modelos para nações que nos ultrapassaram largamente na sua capacidade de criação de riqueza, como sucede com a Irlanda, Finlândia ou Espanha, são agora já outras as nações que nos ultrapassam e mostram que em dez anos é possível fazer a diferença. E que diferença! Devemos tentar manter as vitórias do nosso lado dentro dos relvados. Mas também, e sobretudo, fora deles, recuperando o terreno perdido num outro campeonato, determinante para a nossa qualidade de vida, que é o campeonato da competitividade económica. Campeonato em que estamos cada vez mais remetidos para uma segunda ou terceira divisão. Por manifesta incompetência e incapacidade dos Governos do PS!

Não há duas realidades sequer parecidas. Mas o exemplo da República Checa evidencia bem como é possível concretizar trajectórias ambiciosas de evolução em não mais de uma década. Oxalá, indo a jogo, a segunda década do século XXI possa vir a representar para Portugal, com o envolvimento activo do PSD, o oposto daquilo a que o PS nos condenou e condicionou ao longo dos últimos anos!

27-02-2010 Partilhar Recomendar
27-03-2019
“Com este governo tudo piorou nos territórios de baixa densidade”
    Num debate sobre Ensino Superior, Álvaro Batista afirmou que o PSD quer promover a fixação de população nas zonas mais despovoadas.
27-03-2019
Germana Rocha: “a estratégia deste Governo é a propaganda”
    A deputada considera que esta é uma “legislatura perdida”.
27-03-2019
Orçamento do Estado continha medidas castradoras da autonomia das instituições de ensino superior
    Liliana Silva colocou em evidência as consequências dessas medidas.
27-03-2019
PCP é cúmplice do subfinanciamento das instituições do Ensino Superior
    Laura Magalhães alertou que em pleno mês de março há 11 mil estudantes que ainda não sabem se terão bolsa de estudo.
27-03-2019
Ensino Superior: atuação do governo “marcada pela falta de ambição, desorientação, incapacidade de concretização e demagogia”
    Margarida Mano afirmou que a intenção do PSD é “levar o Ensino Superior mais longe, com Mérito, Autonomia e Responsabilidade”,
15-02-2019
Propinas: o que esperar de um governo que diz uma coisa num dia e outra no seguinte?
    Para Margarida Mano esta foi uma “legislatura perdida” devido à impossibilidade de conjugar uma “cegueira ideológica” com as políticas necessárias para o país.
15-02-2019
Ensino Superior nunca foi uma prioridade do BE e do PCP nas negociações dos Orçamentos
    Duarte Marques refere que a defesa dos estudantes não é importante para estes partidos e por isso sempre ficou fora dos Orçamentos.
15-02-2019
“Portugal tem uma das mais baixas taxas de alojamento estudantil da Europa”
    Manuela Tender entende que “proporcionar alojamento a custo acessível aos estudantes deslocados é um fator decisivo para promover a igualdade de acesso e para esbater as desigualdades sociais e económicas”.
15-02-2019
“Acabar com as propinas significa incorrer numa política socialmente injusta, demagógica e enganadora”
    Nilza de Sena considera que esta medida “é um subsídio eleitoral às famílias de rendimentos médios e elevados”.
15-02-2019
“Universidades e Politécnicos vivem numa situação de verdadeira asfixia financeira”
    Álvaro Batista questionou aos comunistas quando é que o vão assumir as suas responsabilidades pelos falhanços deste governo.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas