Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
OPINIÃO / Portugal 1 – República Checa 3
No último Campeonato Europeu de Futebol, a selecção de Portugal deu-nos a alegria de derrotar por 3-1 a República Checa. Uma análise rápida da evolução dos indicadores económicos registados ao longo da última década, no que diz respeito ao campeonato da competitividade, mostra-nos porém um resultado infelizmente inverso, a nosso desfavor.

No que diz respeito à convergência face à União Europeia (UE27), aferida pela percentagem de capitação do PIB, relativamente à média dos 27 países (ver figura), facilmente se constata que a República Checa nos ultrapassou com determinação a partir de 2004, para de nós descolar no espaço de tempo que curiosamente mediou entre dois Campeonatos Europeus de Futebol. O mesmo se passa com todas as nações ocidentais e a Eslovénia. Tal está prestes a acontecer também com a Eslováquia. Corremos portanto o sério risco de estar em vigésimo lugar da UE aquando da realização da próxima edição do Campeonato da Europa, em 2012. Atrás de nós, começam a ficar somente, a nordeste, as nações do Báltico (Lituânia, Letónia, Estónia), a Polónia, e depois, mais a sudeste, Hungria, Roménia e Bulgária. República Checa 1 – Portugal 0!

Se olharmos agora para os saldos verificados entre Exportações e Importações, historicamente Portugal apresenta valores negativos. Todos os meses importamos mais cerca de 1500 milhões de Euros do que aquilo que somos capazes de exportar. Esta situação tem-se mantido, sem qualquer melhoria significativa, ao longo dos últimos anos. Em percentagem do PIB, o saldo negativo da nossa balança comercial só consegue encontrar pior, dentro da União Europeia, na Roménia, Itália, Espanha e Luxemburgo. Pelo contrário, a República Checa parte de um saldo da balança comercial, também negativo, há dez anos atrás, mas convertido em valores positivos a partir do ano de 2005. Ela representa hoje, em percentagem do PIB, o oitavo país da União Europeia com maior diferença entre os volumes de Exportações e de Importações. República Checa 2 – Portugal 0!

Mudemos novamente de flanco, olhando agora para os valores de desemprego. Mais do mesmo. Em termos relativos, a República Checa parte de uma situação de maior taxa de desemprego, face a Portugal, mas desde 2006 que os seus valores são inferiores aos nossos, terminando 2009 com 8,0% de taxa de desemprego, face aos 10,4% de Portugal. República Checa 3 – Portugal 0!

Para que nem tudo seja necessariamente negativo, em termos de confronto, resta-nos encontrar como golo de consolação o facto de Portugal ter fechado o ano de 2009 com um decréscimo do PIB estimado pelo EUROSTAT em -2,9%, que compara favoravelmente com os -4,9% da República Checa. Sol de pouca dura, uma vez que as previsões do EUROSTAT apontam para um crescimento dos checos em 2010 novamente superior ao nosso, mas ainda assim digno de conclusão a nosso favor: República Checa 3 – Portugal 1!

Terminada a partida, com resultado manifestamente desfavorável, convirá tirar as devidas ilações. Depois de termos olhado como modelos para nações que nos ultrapassaram largamente na sua capacidade de criação de riqueza, como sucede com a Irlanda, Finlândia ou Espanha, são agora já outras as nações que nos ultrapassam e mostram que em dez anos é possível fazer a diferença. E que diferença! Devemos tentar manter as vitórias do nosso lado dentro dos relvados. Mas também, e sobretudo, fora deles, recuperando o terreno perdido num outro campeonato, determinante para a nossa qualidade de vida, que é o campeonato da competitividade económica. Campeonato em que estamos cada vez mais remetidos para uma segunda ou terceira divisão. Por manifesta incompetência e incapacidade dos Governos do PS!

Não há duas realidades sequer parecidas. Mas o exemplo da República Checa evidencia bem como é possível concretizar trajectórias ambiciosas de evolução em não mais de uma década. Oxalá, indo a jogo, a segunda década do século XXI possa vir a representar para Portugal, com o envolvimento activo do PSD, o oposto daquilo a que o PS nos condenou e condicionou ao longo dos últimos anos!

27-02-2010 Partilhar Recomendar
06-04-2010
Ministro do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia questionado pelos deputados do PSD
    José Ferreira Gomes questionou Mariano Gago sobre a empregabilidade dos jovens licenciados e o fenómeno da “fuga de cérebros”
30-03-2010
Deputados do PSD querem novo hospital de Aveiro com valências que sirvam curso de Medicina
    Deputados eleitos pelo círculo de Aveiro visitaram a Universidade
10-03-2010
Ensino superior privado quer aproximar modelo de financiamento ao do público
    Visita dos deputados do PSD do Distrito de Aveiro
24-02-2010
PSD pede divulgação do investimento público em I&D
    Requerimento foi dirigido ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
22-02-2010
Deputados do PSD questionam o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
    Sociais-democratas aproveitaram a discussão do Orçamento do Estado para o Ministério de Mariano Gago para pedir esclarecimentos
19-02-2010
PSD questiona possibilidade de reabertura da Linha de Apoio à Internacionalização de Patentes
    Deputados alertam a necessidade de proteger a criatividade nacional
19-02-2010
PSD pede divulgação dos dados referentes ao registo e licenciamento de patentes
    Deputados querem acesso ao número de pedidos nacionais, europeus e internacionais
Início Anterior
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas