Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Deputados do PSD questionam o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
Sociais-democratas aproveitaram a discussão do Orçamento do Estado para o Ministério de Mariano Gago para pedir esclarecimentos

José Ferreira Gomes foi o primeiro deputado do PSD a intervir na discussão na especialidade do Orçamento do Estado para o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.O deputado do PSD considerou que “estamos numa conjuntura especialmente difícil em que uma das poucas vias de esperança é a melhor qualificação dos portugueses, é o reforço da criação e da transmissão de saber que só o ensino superior poderá potenciar”. Ferreira Gomes centrou a sua intervenção em 5 pontos distintos: o contrato de confiança, as Universidades-Fundações, o Processo de Bolonha, o Investimento público em I&D e os atrasos na Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Relativamente ao contrato de confiança referiu que “a percentagem do PIB atribuída pelo Orçamento do Estado ao ensino superior é modesta e que, em despesa por estudante, estamos abaixo dos nossos parceiros mais imediatos. O estrangulamento financeiro a que as instituições foram forçadas nos últimos anos levou-as ao limite e, face à eminente ruptura financeira da maioria das universidades e politécnicos”. Na sua opinião, o efeito deste aumento do número de estudantes é que o financiamento público por estudante vai baixar ainda mais.

No que diz respeito às Universidades-Fundações, o social-democrata questionou o Ministro sobre o papel que estas instituiçõesterão no nosso país.

Sobreo Processo de Bolonha, José Ferreira Gomes questionou: “o que é que o Governo vai fazer acerca do processo de Bolonha? Será que depois de uma introdução apressada, mal preparada e não acompanhada, o MCTES vai avaliar os efeitos da reforma (...) Para quando a avaliação dos resultados e a normalização da regra de financiamento do 2º ciclo?”

No quarto ponto, Investimento público em I&D, o também Vice-Presidente da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, referiu que “na área da ciência estamos ainda na cauda da Europa (em número de artigos por milhão de habitantes)”.

Por fim, José Ferreira Gomes questionou o Ministro sobre os atrasos da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. O deputado altercou: “não será o resultado de ter uma boca maior que a barriga”. O social-democrata terminou a sua intervenção perguntando ao Ministro seeste “tem meios à medida dos compromissos assumidos”.

Pedro Saraiva interveio no debate, recorrendo à ironia para comentar a intervenção inicial do Ministro, afirmando que pensou estar a “ouvir o discurso do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior da Suécia” ou de outro país mais evoluído. O deputado aproveitou para questionar o Ministro sobre o facto do Orçamento do Estado de 2009 não ter sido aproveitado na sua totalidade, ficando “mais de 500 mil euros ficaram por executar” e quis saber “qual a taxa de execução com que se compromete para 2010”.

Pedro Saraiva chamou a atenção para o facto do Contrato de Confiança, assinado entre o Ministério e as Universidades, ser no valor de 88 milhões de euros e não de 100 milhões, como repetidamente se afirma. O social-democrata lembrou quea nota de rodapé que refere que 12 milhões de eurosserão atribuídos para a ADSE.

Seguiu-se a intervenção de Vânia Jesus. A deputada do PSD referiu que é notória a necessidade de financiamento das Universidades. Desta forma, segundo a deputada, as Universidades recorrem ao aumento do número de vagas para sustentarem financeiramente as instituições: “Quanto mais vagas, mais cabeças, logo mais dinheiro para a Instituição, que continuamos a assistir em detrimento da qualidade dos cursos administrados, e é isto que não pode continuar”.

Contudo, para Vânia Jesus, o aumento das vagas nas universidades deteriora a qualidade do ensino. "Não é nem nunca será o número de alunos que entram o indicador de sucesso, mas antes como terminam a sua formação e quais as perspectivas de futuro, assim como, a sua integração no mercado de trabalho".

A social-democrata afirmou "não compreender que o Ministério do Ensino Superior não tenha uma estratégia de formação adequado para as reais necessidades do mercado de trabalho".

Vânia Jesus questionou o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior procurando saber quando será concretizada "a necessária reorganização das ofertas educativas da rede pública (...) para que se possa aferir a oportunidade da abertura de novas licenciaturas bem como da manutenção de cursos, sustentados com número mínimo de alunos?"

A deputada eleita pelo círculo da Madeira instou ainda oMinistro a responder sobre a multiplicidade de cursos ministrados por diferentes faculdades, defendendo que deve "proceder-se de uma vez por todas à homogeneização de cursos".

Vânia Jesus terminou a sua intervenção questionando sobre o trabalho e resultados do Observatório do Emprego "tantas vezes prometido senhor Ministro".

Carla Rodrigues, por sua vez, centrou a sua intervenção na Sociedade do Conhecimento. A deputada do PSD começou por afirmar que o PSD defende uma “aposta na inovação como meio para avanço económico”. Contudo, “analisado o orçamento, verifica-se uma drástica redução de verba para a Agência para a Sociedade do Conhecimento” (de 71,1 milhões em 2009, para 29,5 milhões em 2010)

Na opinião da deputada “o objectivo de transformar Portugal numa moderna sociedade não foi ainda alcançado” e como tal defende uma continuidade da aposta neste sector. Carla Rodrigues terminou a sua intervenção questionando o Ministro sobre “quais as prioridades concretas na área da sociedade do conhecimento e se essas prioridades tem a respectiva dotação orçamental”.

A encerrar as intervenções na bancada do PSD esteve o deputado Emídio Guerreiro. O coordenador do PSD na Comissão de Educação e Ciência, questionou o Ministro sobre o financiamento por aluno no Ensino Superior e recordou que Portugal está muito longe da média da União Europeia. Emídio Guerreiro abordou ainda a questão do contrato de confiança, salientando “confiança” como palavra-chave e a necessidade dos diferentes actores envolvidos falarem a mesma linguagem. O deputado negou o facilitismo como forma de actuação e apelou ao Ministro para não culpar a nova composição da Assembleia da República dos problemas que surgem no seu Ministério.

22-02-2010 Partilhar Recomendar
José Ferreira Gomes questiona Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior sobre o Orçamento do Estado para 2010
Pedro Saraiva questiona Ministro do Ensino Superior sobre o "Contrato de Confiança" com as Instituições do Ensino Superior
Vânia Jesus questiona Ministro do Ensino Superior sobre financiamento e mercado de trabalho
Carla Rodrigues questiona Ministro sobre verbas atribuídas à Sociedade do Conhecimento
Emídio Guerreiro questiona Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior sobre o Orçamento do Estado para 2010
27-03-2019
Universidades e Politécnicos podem ser uma alavanca para aumentar a coesão entre regiões
    Nilza de Sena considera que o executivo “falhou redondamente” na diminuição destas desigualdades.
27-03-2019
Ensino Superior: PSD quer que o governo crie um regime de incentivos para os estudantes lusodescendentes e portugueses emigrados
    José Cesário lamenta que das 3500 vagas, apenas 247 tenham sido ocupadas no último concurso.
27-03-2019
PSD defende clarificação do que são as despesas de frequência do Ensino Superior
    Duarte Marques adiantou que os sociais-democratas defendem que se o estudante já paga uma propina, há um conjunto de exercícios que o Estado não pode cobrar.
27-03-2019
“Com este governo tudo piorou nos territórios de baixa densidade”
    Num debate sobre Ensino Superior, Álvaro Batista afirmou que o PSD quer promover a fixação de população nas zonas mais despovoadas.
27-03-2019
Germana Rocha: “a estratégia deste Governo é a propaganda”
    A deputada considera que esta é uma “legislatura perdida”.
27-03-2019
Orçamento do Estado continha medidas castradoras da autonomia das instituições de ensino superior
    Liliana Silva colocou em evidência as consequências dessas medidas.
27-03-2019
PCP é cúmplice do subfinanciamento das instituições do Ensino Superior
    Laura Magalhães alertou que em pleno mês de março há 11 mil estudantes que ainda não sabem se terão bolsa de estudo.
27-03-2019
Ensino Superior: atuação do governo “marcada pela falta de ambição, desorientação, incapacidade de concretização e demagogia”
    Margarida Mano afirmou que a intenção do PSD é “levar o Ensino Superior mais longe, com Mérito, Autonomia e Responsabilidade”,
15-02-2019
Propinas: o que esperar de um governo que diz uma coisa num dia e outra no seguinte?
    Para Margarida Mano esta foi uma “legislatura perdida” devido à impossibilidade de conjugar uma “cegueira ideológica” com as políticas necessárias para o país.
15-02-2019
Ensino Superior nunca foi uma prioridade do BE e do PCP nas negociações dos Orçamentos
    Duarte Marques refere que a defesa dos estudantes não é importante para estes partidos e por isso sempre ficou fora dos Orçamentos.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas