Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Passos Coelho Passos acusa António Costa de ataque inédito e “descabelado” ao Banco de Portugal
O líder do PSD lamentou a falta de cultura democrática do socialista.
Pedro Passos Coelho frisou, esta sexta-feira, que o PSD encara o futuro "sem pressa" e defende "a estabilidade", acrescentando que “o atual Governo não tem nenhuma razão para se desculpar com o que vai acontecer. É este Governo o inteiramente responsável pelo que acontecer ao nosso país nos próximos anos". "E, se discordamos do caminho que este Governo está a seguir, não deixamos de respeitar, evidentemente, a maioria que suporta o Governo no parlamento. E essa maioria no fim do mandato deverá responder pelos resultados", defendeu.
Segundo o ex-primeiro-ministro, "ninguém acredita em Portugal que esta maioria dure quatro anos, mas isso não é evidentemente por causa do PSD".
Passos Coelho apontou as recentes declarações sobre a reestruturação da dívida: "o Bloco de Esquerda já avisou que ou há reestruturação de dívida, ou não há acordo para o Orçamento de 2017. Já está a prometer uma crise política em fevereiro a pensar que não pode fazer, como o Syriza fez, a coresponsabilização pela governação. E o Partido Comunista não perdeu dois segundos, disse: não, não, não é para 2017, é já para 2016, vamos já discutir o assunto, não vá alguém adiantar-se neste resultado. Não sei se o PS acha que isto o ajuda a parecer um partido moderado. Veremos como é que essa negociação avança", completou.
Quanto à posição do PSD, acrescentou: "não é quando as coisas se complicam à nossa volta que nós deitamos mais achas para a fogueira, que lançamos e semeamos a instabilidade, ou que fazemos as provocações e nos decidimos a deitar pedradas a quem não está de acordo connosco".
"Fiquem a saber: nós não temos medo de pedradas, nem nos deixamos enganar por quem esconde a mão e por quem faz o exercício das sombras, nós sabemos o que se está a passar, opomo-nos ao que se está a passar e continuaremos a dizer aos portugueses que, se não querem o que se está a passar, podem voltar a confiar no PSD", concluiu.
De seguida, Pedro Passos Coelho acusou António Costa, de fazer um "ataque descabelado" e inédito ao Banco de Portugal e de governar com falta de cultura democrática. "Nada justifica o ataque institucional declarado a uma entidade independente por parte de um Governo que sabe que, para conduzir a estratégia de desnorte em que mergulhou, precisa de comandar tudo e ter quem lhe obedeça, e quem discordar, a bem ou a mal, tem de mudar", criticou o presidente do PSD, acrescentando que “isto não é uma democracia com os pesos e contrapesos que são necessários, com a divisão de poderes que é necessária, com a limitação das competências que são necessárias a uma sociedade plural e equilibrada. Nós vamos ouvindo, à medida que os meses passam, várias manifestações desta falta de cultura democrática".
Segundo o ex-primeiro-ministro, o Governo do PS fez "um ataque descabelado ao Banco de Portugal, à autoridade independente, ao supervisor independente", o que apontou como um "episódio inédito" e "inaceitável".
No seu entender, o PS tem-se aproximado dos "partidos mais radicais", comportando-se "dentro da lógica do quero, posso e mando". "Quando não se concorda com eles, não são tolerantes e atacam violentamente as instituições. Este comportamento não pode continuar", defendeu o presidente do PSD, considerando que "não é sequer corajoso", pois "é o comportamento de quem atira a pedrada e depois quer esconder a mão".
"O que é que vamos dizer aos investidores, o que é que vamos dizer aos nossos parceiros europeus? Que nos estamos a transformar num país em que todos os que não concordam connosco têm de ser removidos ou pôr o lugar à disposição porque só aceitamos a unicidade da decisão que o Governo tomou?", questionou Passos Coelho.

19-02-2016 Partilhar Recomendar
01-03-2019
Rui Rio: só o PSD poderá acabar com uma “governação enganadora”
    O líder do PSD considera que só o PSD poderá substituir o PS na governação.
28-02-2019
Fernando Negrão acusa PS e Costa de “meterem na gaveta” a ética republicana
    O social-democrata considera que António Costa está a sobrepor os interesses partidários aos interesses do país.
26-02-2019
Jornadas Parlamentares do PSD – Conheça o Programa
   
20-06-2018
“Milagre económico é uma aldrabice política”
    Rui Rio afirmou que António Costa prometeu o que “sabia de antemão que não podia cumprir”.
20-06-2018
“O PSD não permite que se volte a esquecer as regiões e as populações do interior”
    Nas Jornadas Parlamentares do PSD, dedicadas ao interior, Fernando Negrão sublinhou que o interior pode e deve ser uma terra de oportunidades para todos”.
07-06-2018
Jornadas Parlamentares do PSD – Conheça o Programa
   
02-11-2017
Governo faz “um ataque sem precedentes à classe média portuguesa”
    Hugo Soares considerou o Orçamento “uma proposta incoerente, sem estratégia, nem reforma estrutural”.
02-11-2017
Hugo Soares: Orçamento não tem como prioridade os portugueses
    No encerramento das Jornadas Parlamentares do PSD, o líder da bancada social-democrata afirmou que o Orçamento não acautela o futuro.
02-11-2017
Orçamento: “PSD apresentará propostas a pensar no futuro do País”
    Pedro Passos Coelho anunciou que o PSD votará contra o Orçamento porque ele “não está orientado para o futuro, não gera emprego e não incentiva o investimento e a criação de empresas”.
26-10-2017
Jornadas Parlamentares do PSD – Conheça o Programa
   
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas