Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Com o PSD e o CDS a Nação teve estabilidade”
No debate do Estado da Nação, Luís Montenegro enfatizou que esta maioria encara o futuro com muita confiança em Portugal e nos portugueses”.
“Debater o Estado da Nação em Julho de 2015, no final da quarta e última Sessão Legislativa desta Legislatura é responder a uma pergunta simples: como está Portugal hoje e como estaria se a oposição e o PS tivessem governado o país desde 2011?” Foi com esta questão que Luís Montenegro iniciou a sua intervenção no debate sobre o Estado da Nação. Para lhe dar resposta, o Presidente do Grupo Parlamentar do PSD fez alusão aos 6 níveis de intervenção e outras tantas conclusões.
No que se refere ao primeiro nível, Estabilidade Política e Governativa, o social-democrata recordou que o PSD e o CDS firmaram um acordo político na sequência dos resultados eleitorais de 2011. “Tiveram as suas divergências; tiveram de executar o Memorando negociado pelo PS; tiveram de conviver com tempos de incerteza ao nível Europeu; tiveram de ultrapassar as decisões legítimas mas discutíveis do Tribunal Constitucional; tiveram de renovar e transformar Portugal com a implementação de reformas estruturais há muito adiadas; tiveram de lidar com várias e naturais resistências à mudança; e tiveram de respeitar e compreender a reação dos cidadãos a medidas difíceis, indesejadas e impopulares. Os partidos que suportam o Governo tiveram de enfrentar e superar tudo isso e souberam convergir, conciliar e decidir sempre colocando à frente o interesse do Estado o interesse dos portugueses. Primeira conclusão: com o PSD e o CDS a Nação teve estabilidade. Com a oposição e o PS a Nação teria tido instabilidade”.
Relativamente ao nível da Situação Financeira, o líder da “bancada laranja”, frisou que a coligação PSD/CDS cumpriu as metas orçamentais acordadas com os nossos parceiros, obteve 12 avaliações positivas do PAEF, saiu do Programa sem recurso a mais resgates ou condições cautelares, regressou aos mercados onde hoje se financia às mais baixas taxas de juro de sempre, o país amortiza antecipadamente os empréstimos mais onerosos precisamente para poupar várias centenas de milhões de euros em juros, acumulámos reservas para enfrentar eventuais situações de turbulência, o défice será em 2015 o mais baixo desde o 25 de Abril, o Estado devolve rendimento aos seus funcionários e aos pensionistas. “Mais uma vez, cumpre perguntar? E se fosse a oposição e o PS a governar estes anos? Qual era o custo de termos pedido mais tempo e mais dinheiro? Quantas medidas de austeridade seriam necessárias para financiar o défice e os investimentos públicos? E quem pagava e quando o custo do financiamento e do endividamento dessa estratégia? Segunda conclusão: Com a coligação PSD/CDS, a Nação tem menos défice, tem mais saúde financeira, está a remover a austeridade e prescindiu da troika. Com um Governo PS a troika ainda cá estava, os pacotes de austeridade viriam a cada trimestre ou semestre e as faturas continuavam a acumular-se para serem pagas por quem viesse a seguir”.
Ao nível da economia, outro nível analisado, Luís Montenegro afirmou que com o Governo desta maioria Portugal retomou o crescimento económico, atingiu níveis de confiança de consumidores e investidores muito positivos, alcançou um aumento constante e consistente das exportações, empreendeu um programa de privatizações rigoroso e transparente, reestruturou o sector empresarial do Estado central e local, iniciou uma política de desagravamento fiscal para atrair investimento, diminuiu o pagamento de dívidas em atraso do sector público e aprovou uma lei de compromissos, empreendeu uma reforma na justiça amiga da economia. “Terceira conclusão: com a coligação PSD/CDS evita-se a espiral recessiva e a riqueza cria-se com base na competitividade da economia e com os seus resultados intrínsecos. Com um governo socialista a economia dinamiza-se com rendimento ilusório, com despesa pública e endividamento e com mais Estado nos negócios, tudo afinal o caminho para, aí sim, uma longa e penosa espiral de recessão e austeridade futura”.

Depois de se referir às Reformas Estruturais e ao Emprego, Luís Montenegro focou a sua intervenção no nível do Estado Social e da Solidariedade. Recorda o parlamentar que com o Governo PSD/CDS “salvaguardamos os sistemas públicos, garantindo a universalidade do seu acesso, alargando por exemplo as isenções de taxas moderadoras na saúde, baixando o preço dos medicamentos, diminuindo a taxa de abandono escolar precoce, implementando tarifas sociais nos transportes públicos, na eletricidade, no gás. Executamos um Programa de Emergência Social para o qual foram alocados mais de mil milhões de euros em quatro anos e seguimos critérios de equidade e solidariedade em todos os sacrifícios que pedimos aos portugueses”.
Antes de terminar, o deputado sublinhou que o PSD encara o futuro com muita confiança. “Confiança na capacidade dos portugueses. Confiança nas escolhas dos portugueses. Confiança na credibilidade que reconquistamos na Europa e no Mundo. Confiança no prosseguimento da reforma do Estado, da sustentabilidade dos sistemas públicos. Confiança no aprofundamento dos processos de descentralização seja para as regiões autónomas seja para as autarquias locais e entidades multimunicipais. Confiança no sector social e na força das suas instituições. Confiança na competitividade da nossa economia, na capacidade dos nossos empreendedores e dos nossos trabalhadores. Confiança no retorno do investimento na inovação, na investigação e na ciência. Confiança na aposta em sectores chave como as novas tecnologias ou o turismo, o Mar ou as indústrias criativas. Confiança no aproveitamento da nossa rede diplomática espalhada pelo mundo e da qual fazem parte os 5 milhões de portugueses que vivem no estrangeiro. Confiança nas potencialidades da rede da lusofonia que nos coloca e integra em todos os espaços relevantes do globo. Confiança também e finalmente no projeto europeu, na união monetária e na solidariedade europeia”.
A terminar, Luís Montenegro declarou que é focados no futuro que nos apresentamos aos portugueses de cara levantada. “Com a serenidade de quem fez o que tinha de ser feito. Com confiança na capacidade do povo português. Com a convicção de que somos uma Nação honrada e um povo trabalhador e empreendedor. Com a ambição de que em Portugal cada bebé que nasce, independentemente do meio social e do local em que nasceu, terá uma oportunidade de construir um projeto de vida pessoal e profissional feliz”.
“Para os deputados do PSD deixo uma última palavra. Um dia um deputado amigo e apoiante de Churchill ter-lhe-á dito o seguinte: «não há posição mais difícil do que estar na bancada a apoiar um governo. É muito difícil encontrar um meio-termo entre a independência e a lealdade. O mais importante é impressionar a Câmara com a nossa seriedade». Foi com essa seriedade, com independência e lealdade, com convicção que aqui estivemos estes quatro anos e temos muito orgulho nisso”.
08-07-2015 Partilhar Recomendar
10-07-2019
António Costa governa em permanente modo de “reality-show”
    Fernando Negrão acusou o Primeiro-Ministro de falar de um “país virtual”, “para a fotografia”, “pintado de cor-de-rosa”, em que o Governo “fez tudo bem”, mas que é desmentido diariamente pela realidade.
10-07-2019
“O Primeiro-Ministro falhou na proteção da saúde dos portugueses”
    Ricardo Baptista Leite enumerou um conjunto de promessas que António Costa fez e não cumpriu.
10-07-2019
Clara Marques Mendes acusa António Costa de ter voltado a faltar “à verdade aos portugueses”
    Em causa as falhas na regularização dos pagamentos das pensões em atraso por parte da Segurança Social.
10-07-2019
Governo de António Costa é “inimigo do investimento público”
    Emídio Guerreiro disse ao Primeiro-Ministro que “o governo ficará para a história como o que menos investiu”.
10-07-2019
“A Madeira merece tratamento institucional digno e imparcial”
    Rubina Berardo lembrou ao Primeiro-Ministro que “a Madeira é terra de gente livre”.
10-07-2019
António Costa Silva confrontou o Primeiro-Ministro com “a execução desastrosa” dos Fundos Comunitários
    O Vice-Presidente da bancada do PSD revela que há áreas com taxas de execução de 0%.
10-07-2019
Estado da Nação: “um povo contribuinte esmagado, serviços públicos arrasados”
    António Leitão Amaro acusou o Governo de ter falhado nas principais promessas que fez para esta legislatura.
13-07-2018
“A realidade não esconde que esta é uma solução governativa esgotada”
    No debate do Estado da Nação, Fernando Negrão frisou que “a natureza desta maioria de esquerda é a do escorpião, não resiste a fazer mal quando pode e promete fazer bem”.
12-07-2017
“O País precisa de liderança e de objetivos mobilizadores. Ficar à espera de melhores ventos e da sorte não chega”
    No debate sobre o Estado da Nação, Passos Coelho afirmou que “bastou uma série de eventos imprevistos” para o governo mostrar toda a sua insuficiência, desorientação e desarticulação”.
12-07-2017
Ministro da Saúde vive do trabalho do anterior governo
    Miguel Santos lembrou ao governante que os resultados anunciados são fruto das políticas implementadas pelo seu antecessor.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas