Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
PSD pede ao Governo e ao PS que “deixem em paz” a poupança dos portugueses
Álvaro Almeida frisa que “é o bem-estar e o futuro dos portugueses que está em causa”.
O PSD apelou ao Governo e ao PS que “deixem em paz” a poupança dos portugueses e a estabilidade do sistema financeiro, reiterando a oposição do partido a qualquer proposta de englobamento de todos os rendimentos.
Numa declaração política na Assembleia da República, esta quarta-feira, Álvaro Almeida retomou o tema que o presidente do partido, Rui Rio, já tinha abordado no último debate quinzenal com o primeiro-ministro, António Costa.
“A poupança das famílias está em níveis historicamente baixos. Em 2017 e 2018 as famílias portuguesas pouparam menos de 7% do seu rendimento disponível, o que já não acontecia desde o início dos anos 60 do século passado. Nos últimos 25 anos, a taxa de poupança das famílias caiu para menos de metade. Esta tendência é preocupante... (ver mais)
Partilhar  
RTP: “será que houve uma decisão superior de censura para não beliscar o PS e o governo?”
A propósito do cancelamento do programa ‘Sexta às 9' antes das eleições, Isabel Meirelles questionou se o lápis azul voltou”.
Isabel Meirelles entende que os 10 anos da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia é um momento solene e importante. No seguimento de uma declaração política do PS sobre o tema, a deputada frisou que mais do que celebrar o seu carácter juridicamente vinculativo, há que aplicá-la. “Infelizmente constatamos que isso nem sempre acontece e que o governo nem sempre a respeita”.
De acordo com a parlamentar, a liberdade de expressão e de informação está consagrada no nº 2 dessa Carta. “A existência de uma comunicação social livre e plural é condição para o bom funcionamento de uma democracia madura. O jornalismo é um pilar fundamental da nossa sociedade”.
Tento por base esse princípio, Isabel Meirelles alertou para o que se passou na Comissão de Cultura e... (ver mais)
Partilhar  
Os portugueses esperam em média 20 horas por mês pelos transportes públicos
Carlos Silva fala em tempos de espera intermináveis, sobrelotação, filas gigantescas e transportes em condições precárias de higiene e conforto.
Carlos Silva enfatizou, esta quarta-feira, que o “PSD é favorável à redução dos preços dos passes sociais. Achamos que é uma boa medida para o combate às alterações climáticas, e uma boa medida para a mobilidade dos cidadãos”. Contudo, adianta o deputado, para uma boa política ser implementada, têm de ser assegurados 2 pressupostos: primeiro, o acesso ser universal para todos os Portugueses, achamos inaceitável que existam regiões que não tenham acesso a este benefício; por outro lado a oferta de transportes tem que ser em quantidade suficiente para fazer face à procura. Nem um nem outro pressuposto, estão reunidos, pelo contrário. O Governo socialista, com a redução tarifária dos passes, trouxe um alívio para a carteira de alguns portugueses, mas trouxe muito mais... (ver mais)
Partilhar  
“As alterações climáticas são o maior desafio que a humanidade tem pela frente”
Bruno Coimbra considera que “necessitamos de políticas sólidas e consequentes”.
Bruno Coimbra considera que as alterações climáticas são, provavelmente, “o maior desafio que a humanidade tem pela frente”. Sublinhando que o nosso país está particularmente exposto às mesmas, o social-democrata afirmou que há dois vetores fundamentais para a ação climática: por um lado, o combate, que se traduz na redução de emissões e na captura de carbono, e, por outro, a adaptação, pois o clima já mudou e o mundo está a mudar com ele.
“A adaptação é fundamental, não só para promover o dito combate às alterações climáticas, mas para que neste contexto se possa fazer progredir a nossa economia em setores tão fundamentais como a agricultura ou a indústria. Precisamos também de promover comportamentos ambientalmente responsáveis e o uso eficiente dos recursos”,... (ver mais)
Partilhar  
“PSD está disponível para todo e qualquer debate sobre modelos de gestão e de organização do Estado”
Contudo, Jorge Paulo Oliveira frisa que esse debate deve assentar em propostas concretas, que respeitem os preceitos constitucionais, que não correspondem a soluções encapotadas e que não conduzam a um país a duas velocidades.
Jorge Paulo Oliveira recordou que “o PSD sempre esteve ao lado dos portugueses que pedem ao Estado que saiba colocar as suas funções na mão daqueles que as possam desempenhar melhor para benefício de todos. E por isso, o PSD sempre teve uma visão reformista do Estado assente numa administração pública descentralizada”. No seguimento de uma declaração política dos centristas sobre a descentralização, o deputado frisou que “o PSD está, como sempre esteve no passado, disponível para todo e qualquer debate sobre modelos de gestão e de organização do Estado, desde que esse debate assente em propostas concretas, que não ponham «o carro à frente dos bois», que respeitem os preceitos constitucionais, que não correspondam a soluções parcelares, que não correspondem a soluções... (ver mais)
Partilhar  
“O Estado Social deve criar políticas públicas capazes de garantir uma inclusão plena de todas as pessoas com deficiência”
Helga Correia lamentou que o consenso em torno deste tema não esteja a ser devidamente aproveitado.
Helga Correia afirmou, esta quarta-feira, que o PSD defende que “o Estado Social deve criar políticas públicas capazes de garantir uma inclusão plena de todas as pessoas, em particular promover a inclusão das pessoas com incapacidade e deficiência”.
No seguimento de uma declaração política dos comunistas sobre o tema, a deputada saudou todas as pessoas com deficiências, dado que esta terça-feira se assinalou o dia internacional da pessoa com deficiência, e recordou que na anterior legislatura o PSD viu aprovados vários Projetos para a inclusão laboral de pessoas com deficiência.
Recordando que existe um consenso político no Parlamento em torno deste tema, Helga Correia lamentou que este consenso não esteja a ser devidamente explorado. “Temos consciência que... (ver mais)
Partilhar  
Ambiente: Hugo Carvalho desafia o BE a comprometer-se com metas
O parlamentar incitou os bloquistas e serem mais ambiciosos em termos ambientais.
No seguimento de uma declaração política em que os bloquistas misturaram temas como a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2019 (COP 25) e a vinda de Benjamim Netanyahu a Portugal, Hugo Carvalho desafiou os bloquistas e serem mais ambiciosos em termos ambientais e a falarem e a comprometerem-se com metas, em vez de fazerem uma “misturada de temas”.
De seguida, o social-democrata reconheceu ser importante que cada partido faça as suas intervenções sobre ambiente e que origine o debate sobre a matéria. Contudo, o parlamentar adiantou que isso só serve se for “para sensibilizar, se for para debater a ideologia de uns e de outros. Se for para falar da visita de Netanyahu, vai estar a dar razão aos que dizem lá foram que aqui falamos muito, mas... (ver mais)
Partilhar  
Emília Cerqueira: “mundo rural não pode ser visto como um inimigo”
A deputada defendeu uma visão una do país e contestou a perspetiva que coloca rurais contra urbanos.

Partilhar  
Hugo Carvalho: “estamos ao lado da ação climática”
O deputado saudou todos os jovens que se comprometem com a ação climática.

Partilhar  
Ricardo Baptista Leite assinala “desnorte” da política cultural do Governo
O deputado adianta que há falta de projetos, objetivos e dinheiro, mas sobra uma série de promessas por cumprir.
Ricardo Baptista Leite considera que o debate temático sobre o apoio às artes “é o resultado do desnorte que tem sido a política cultural do Governo. Não há projetos, não há objetivos, não há dinheiro e, ao fim deste tempo todo, a única coisa que sobra são uma série de promessas por cumprir”.
No encerramento do debate, agendado pelo PCP, o Vice-Presidente da bancada do PSD afirmou que este agendamento resulta do “peso que o PCP tem na consciência”. Contudo, referiu, “isso de pouco serve aos agentes culturais do nosso país que não têm os meios mínimos de sobrevivência, nem têm no governo um interlocutor que os queira escutar. Realmente, quando se fala de Cultura e das Artes, a esquerda enche a boca e bate com a mão ao peito quando está na oposição, mas trata com os... (ver mais)
Partilhar  
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas